Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/1370
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Construção de mitos da criminalidade sob a luz da imprensa carioca: estudo de caso Fernandinho Beira Mar
Autor(es)/Inventor(es): Lima, Ludmilla de
Orientador: Argolo, José Amaral
Resumo: Os mitos da criminalidade do Rio de Janeiro, a partir da década de 50, são analisados neste projeto como peças de um jogo cujos participantes são a polícia e a imprensa. A mídia cultiva o folclore desses personagens que, por sua vez, são alimentados pelo braço armado do Estado. A partir deste esquema, vemos surgir tanto os bandidos sociais como os inimigos públicos no 1. Ao longo deste período, essa construção vai ser influenciada tanto por reestruturações e adaptações nas redações quanto pelos movimentos do crime – das quadrilhas de assaltantes às organizações do tráfico, que têm como figura emblemática maior o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira Mar. Essa trajetória culmina em um novo tipo de relação entre os jornalistas e suas fontes na cobertura policial.
Palavras-chave: Crime
Jornalismo
Rio de Janeiro (Estado)
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 14-Jun-2006
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: LIMA, Ludmilla de. Construção de mitos da criminalidade sob a luz da imprensa carioca: estudo de caso Fernandinho Beira Mar. 2005. 82 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
URI: http://hdl.handle.net/11422/1370
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LLIMA.pdf1,01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.