Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/1489
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: A percepção do tempo através do jornalismo contemporâneo: a valorização do presente e a demanda de memória no jornal O Globo
Autor(es)/Inventor(es): Carvalho, Bruno Leal Pastor de
Orientador: Strozenberg, Ilana
Resumo: Analisa a percepção do tempo das sociedades ocidentais contemporâneas através de uma escrita jornalística baseada na valorização de um presente cada vez mais efêmero e instável. Alinhado aos avanços tecnológicos na área da comunicação e ao quadro político-ideológico do pós Guerra Fria, o jornalismo se tornou não apenas expressão de um novo regime de temporalidade, mas também um “sujeito” participativo na construção deste regime. Esta nova forma do homem se relacionar com tempo provoca uma série de mudanças no seio da sociedade, dentre as quais a emergência de uma forte demanda por memória, encorajada pelo próprio jornalismo. O estudo tem como fonte o jornal O Globo, dando ênfase ao período que vai de 2005 a 2006.
Palavras-chave: Jornalismo
Memória
Contemporaneidade
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 29-Nov-2006
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: Carvalho, Bruno Leal Pastor de. A percepção do tempo através do jornalismo contemporâneo: a valorização do presente e a demanda de memória no jornal O Globo. 2006. 116 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.
URI: http://hdl.handle.net/11422/1489
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
BLPCarvalho.pdf7,64 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.