Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/2424
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Racionalidade e incerteza: o espírito animal do Homo Economicus
Autor(es)/Inventor(es): Papa Junior, Natale
Orientador: Lima, Fernando Carlos G. de Cerqueira
Resumo: Ao abrir e estudar um dos clássicos manuais de microeconomia amplamente utilizados nas mais diversas instituições de ensino, deparar-se-á o curioso em questão com uma série de conceitos e modelos ortodoxos apresentando o homem como racional e totalmente maximizador, atuante em um mercado com perfeita disponibilidade de condições. Circula em Wall Street, por exemplo, um antigo ditado no qual se considera o mercado basicamente afetado por dois fatores pressípuos, apontados como o medo e a ganância, desconsiderando todos os demais fatores psicológicos que influenciam o humor dos agentes e consequentemente afetam o mesmo durante qualquer processo decisório. Busca-se evidenciar o comportamento humano real, observável na atuação prática dos agentes em suas decisões cotidianas e de investimento. O que há de real no Homo Economicus e o que há de teórico ortodoxo no homem movido pelo espírito animal? Que fatores efetivamente influenciam e enviesam os agentes no momento decisório? Como proceder para efetivamente maximizar seu bem-estar através das mais acertadas escolhas?
Palavras-chave: Microeconomia
Racionalismo
Processo decisório
Tomada de decisão
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA DO BEM-ESTAR SOCIAL
Departamento: Instituto de Economia
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Set-2010
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/2424
Aparece nas coleções:Ciências Econômicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
NPJunior.pdf402,79 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.