Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/11029
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorFragozo, Fernando Antonio Soares-
dc.contributor.authorFerreira, Lara Freitas Costa-
dc.date.accessioned2020-01-14T15:37:07Z-
dc.date.available2020-01-16T03:00:14Z-
dc.date.issued2018-11-27-
dc.identifier.citationFERREIRA, Lara Freitas Costa. Gritando em código: níveis de significado femininos na literatura do medo. 2018. 102 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação – Habilitação em Produção Editorial) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/11029-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectLiteraturapt_BR
dc.subjectFeminismopt_BR
dc.subjectSignificadopt_BR
dc.subjectMedopt_BR
dc.titleGritando em código: níveis femininos de significado na literatura do medopt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.referee1Jaguaribe, Beatriz-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7158974952724770pt_BR
dc.contributor.referee2Assunção, Diego Paleólogo-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/1304509351351200pt_BR
dc.description.resumoAplicando a teoria Bakhthiniana de recepção literária, junto a aspectos da teoria de Barthes da morte do autor aos gêneros de terror, horror e thriller, agrupados sob o que Julio França chama de “literatura do medo”, o trabalho demonstra o potencial dessas obras, geralmente consideradas superficiais e de valor estritamente comercial pela crítica, para o comentário e crítica sociopolítica. Com o recorte de obras escritas por mulheres desde a concepção da literatura gótica até a contemporaneidade, somadas à interpretação feminina e feminista, é evidenciada uma infinidade de níveis de significado baseados na experiência social, política e cultural da mulher – todos igualmente possíveis, válidos e corretos. Embora a tradição masculina da crítica literária, fortalecida pelo posicionamento quase agressivo de autores como Stephen King, tenha disseminado para o senso comum a ideia de que a literatura do medo não possui significados possíveis além da história “pura e simples”, apresento que níveis de significado podem ser acessados pelo leitor atento, e que leitores que pertençam ao mesmo grupo social que (e, consequentemente, possuam experiências de vida semelhantes a) os autores possuem um potencial particular nesse exercício. Adicionalmente, são explorados os temas das expectativas sociais sobre a mulher em diversos recortes temporais e a relevância do estereótipo da mulher louca e histérica tanto para o controle da população feminina pelo patriarcado quanto para a construção de histórias na literatura do medo.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentEscola de Comunicaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAOpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Comunicação - Produção editorial

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Lferreira.pdf830,92 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.