Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/13255
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSantos, Gerusa Belo Gibson dos-
dc.contributor.authorBarros, Wagner Brito de-
dc.date.accessioned2020-10-16T13:35:07Z-
dc.date.available2020-10-18T03:00:08Z-
dc.date.issued2020-02-17-
dc.identifier.citationBARROS, Wagner Brito de. Vigilância de chikungunya: aspectos epidemiológicos e evolução clínica. 2020. 44 f. Monografia (Graduação em Saúde Coletiva) – Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/13255-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectVigilância sanitáriapt_BR
dc.subjectChikungunyapt_BR
dc.subjectComorbidadept_BR
dc.titleVigilância de chikungunya: aspectos epidemiológicos e evolução clínicapt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7536230283210028pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6280868166184530pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Wakimoto, Mayumi Duarte-
dc.contributor.advisorCo1Latteshttp://lattes.cnpq.br/0098803214469763pt_BR
dc.contributor.referee1Costa, Antônio José Leal-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8717846472721574pt_BR
dc.contributor.referee2Mendonça, Paulo Eduardo Xavier de-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/0208276312306226pt_BR
dc.description.resumoAproximadamente 70% das infecções pelo vírus chikungunya são sintomáticas, cujas formas clínicas podem se apresentar em até 3 fases: aguda, subaguda e crônica. A característica altamente incapacitante da doença e o diagnóstico diferencial com outras arboviroses em áreas de circulação simultânea de dengue e Zika, por exemplo, tem sido um dos maiores desafios para as vigilância e atenção. Objetivo: O estudo visa apoiar evidências a respeito dos fatores associados à cronicidade dos casos de chikungunya com base na análise dos casos confirmados notificados pelo Serviço de Vigilância em Saúde do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas. Métodos. Trata-se de um estudo seccional com abordagem quantitativa baseado nos casos confirmados de chikungunya atendidos no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas - INI/ Fiocruz em 2018. A casuística de 334 casos confirmados de chikungunya foi obtida a partir dos casos notificados como suspeitos de dengue e chikungunya entre os meses de janeiro a dezembro de 2018. Resultado: O perfil dos casos de chikungunya atendidos no INI no ano de 2018 se caracterizou, principalmente, pela maior frequência de mulheres, faixa etária predominante entre 20 e 44 anos, escolaridade relativamente elevada. Quanto a raça/cor, grande parte se autodeclarou pardo. A maioria dos casos de chikungunya atendidos na unidade eram residentes do próprio município do Rio de Janeiro. Foi observada maior prevalência de hipertensão e petéquias nos casos que evoluíram de forma crônica, quando comprados aos casos não crônicos. Sintomas mais inespecíficos como cefaleia, mialgia e vômitos referidos na primeira consulta tiveram prevalência superior nos casos não crônicos quando comparados aos casos crônicos. Conclusão: os presentes achados trazem elementos que corroboram a relevância de identificar sinais precoces sugestivos de evolução crônica em casos de chikungunya, como forma de contribuir para o manejo clínico oportuno e adequado, evitando assim a evolução para formas incapacitantes da doença.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Estudos em Saúde Coletivapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::SAUDE COLETIVA::SAUDE PUBLICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Saúde Coletiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
WBBarros.pdf316,56 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.