Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/145
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorMadeira, Margot Campos-
dc.contributor.authorResende, Érica dos Santos-
dc.date.accessioned2016-04-13T09:37:00Z-
dc.date.available2016-04-15T03:00:06Z-
dc.date.issued2005-12-08-
dc.identifier.citationRESENDE, Érica S. Representações sociais de bibliotecários: quando o antigo e o novo se confrontam. 2005. 112. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2005.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/145-
dc.description.abstractThis research had as objective the analysis of the social representations of librarian presented by professionals of this area who work in a private university. The investigation is supported by the assumption that social representations are constructions of concrete subjects and, as such, take form in the daily life of their relations, experiences, and interactions, integrating information, ideas, images, memories, affects that, through the screening of values, are reconstructed and organized, updating diverse relations, times and spaces. The investigation articulates the application of questionnaires to characterize the formation and experience of the subjects (N=60) and a free association of words, treated as proposed by Vergés (1992) and Flament (1981), to the thematic analysis of the texts produced by the subjects to justify the choices. The analysis of the text of free evocation of words and of the results of the text of double negation allow to apprehend the possible evolution of the librarian symbolic space that, from the limits of books and libraries, can be assuming the potentiality of information as the definer of its doing and its knowledge. Although the traditional configuration detected by the free association –books, libraries and information – persists, the test of double negation points to significant traces of a representation in change, in which the central nucleus would integrate only the element information. In this process of change, the news in circulation in the professional environment seem to be operating but, above all, the coherence and consistence of the practices adopted, focused and assumed by the subjects play the most important role. In the space of these practices, the ideas become concrete, the news materialize, that is, the process of change objectivation in articulated semantic fields and its anchorage in socially acceptable values and symbols to the belongings and reference groups are facilitated. These practices make possible the fundamental processes of construction and reconstruction of social representations of an object.pt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Estácio de Sápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectRepresentações sociaispt_BR
dc.subjectBibliotecáriopt_BR
dc.titleRepresentações sociais de bibliotecários: quando o antigo e o novo se confrontam.pt_BR
dc.title.alternativeSocial representations of the librarian: when the new confront the old.pt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/4377305193352866pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/1228757390827403pt_BR
dc.contributor.referee1Mazzotti, Tarso Bonilha-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7569711844631608pt_BR
dc.contributor.referee2Freire, Isa Maria-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/8430720903326399pt_BR
dc.description.resumoEsta pesquisa teve como objetivo a análise das representações sociais de bibliotecário apresentadas por profissionais desta área que atuam em uma universidade privada. A investigação apóia-se no pressuposto de que as representações sociais são construções de sujeitos concretos e, como tais, tomam forma no cotidiano de suas relações, experiências, vivências e interações, integrando informações, ideias, imagens, lembranças, afetos que, no crivo de valores, são reconstruídos e organizados, atualizando relações, tempos e espaços diversos. A investigação articula a aplicação de questionário para caracterizar a formação e a experiência dos sujeitos (N=60) e a livre associação de palavras, tratada como é proposto por Vergés (1992) e Flament (1981), à análise temática dos textos produzidos para justificar as escolhas. A análise do teste de livre evocação de palavras e dos resultados do teste da dupla negação permitiram apreender a possível evolução do espaço simbólico do bibliotecário que, dos limites dos livros e bibliotecas, pode estar assumindo a potencialidade da informação como definidora do seu fazer e do seu saber. Ainda que persista a configuração tradicional detectada pela associação livre – livros, bibliotecas e informação -, o teste de dupla negação aponta para indícios seguros de uma representação em mudança, na qual, o núcleo central integraria, apenas, o elemento, informação. Embora este processo de mudança seja influenciado pelas novidades em circulação no ambiente profissional, a coerência e a consistência das práticas adotadas pela instituição focalizada e assumidas pelos sujeitos parecem desempenhar o principal papel. No espaço destas práticas, as ideias tornam-se concretas, as novidades se materializam, ou seja, são facilitados os processos de objetivação da mudança em campos semânticos articulados e de sua ancoragem nos valores e símbolos socialmente aceitáveis às pertenças e referências grupais. Estas práticas dão condições para que os processos fundamentais na construção e reconstrução das representações sociais de um objeto possam se efetivar.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentVice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisapt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Educaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUNESApt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAOpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
dc.relation.referencesABRIC, J-C. Abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P.; OLIVEIRA, D.C. (Org.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p. 27-38. ______. O estudo experimental das representações sociais. In: JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 155-172. ALMEIDA JÚNIOR, O.F. Profissional bibliotecário: um pacto com o excludente. In: BAPTISTA, S. G.; MUELLER, S. P. M. (Org.). Profissional da informação: o espaço de trabalho. Brasilia, DF: Thesaurus, 2004. p.70-96. ______. Profissional da informação: entre o espírito e a produção. In: VALENTIM, M.L.P. O profissional da informação: formação, perfil e atuação profissional. São Paulo: Polis, 2000. p. 31-52. ______. Biblioteca pública: ambigüidade, conformismo e ação guerrilheira do bibliotecário. Ensaios APB, São Paulo, n. 15, fev. 1995. ______. Formação, formatação: profissionais da informação produzidos em série. In: VALENTIM, M. L. Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002. p. 133-148. ALVES-MAZZOTTI, A.J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Em Aberto, Brasília, DF, ano 14, n. 61, p. 60-78, jan./mar. 1994. ______. A abordagem estrutural das representações sociais. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 14-15, p. 17-37, 2002. ______. Método nas ciências sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, A.J.; GEWANDSZNAJDER, F. Métodos nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2002. p.107-203. _____. et al. Os sentidos do ser professor. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 1, n.1, p. 61-74, jan./jun. 2004. BANCHS, M.A. Alternativas de apropiación teórica: abordaje procesual y estructural de las representaciones sociales. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 1, n.2, p. 39-60, jul./dez. 2004. BATTLES, M. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Planeta, 2003. BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: J.Zahar, 2005. BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Resolução nº 08, de 29 de outubro de 1982. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 08 nov. 1982. Seção 1. ______. Parecer n. 492 de 3 de abril de 2001. Apresenta as diretrizes curriculares para os cursos de Biblioteconomia. 2001. Disponível em: <http://www.mec.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2003. BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria n. 584, de 28 de abr. de 1997. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 29 abr. 1997. Seção 1, p. 8.519. BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da educação superior: resumo técnico. Brasília, DF, 2003. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/>. Acesso em: 22.07.2005. CAMPELLO, B. O movimento da competência informacional: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 32, n. 3, p. 28-37, set./dez. 2003. CAMPOS, M.L.A.A. As cinco leis da Biblioteconomia e o exercício profissional. 2002. Disponível em: <www.conexaorio.com/biti/mluiza/index.htm>. Acesso em: 05 maio 2004. CAMPOS, P.H. As representações sociais de “meninos de rua”: proximidade do objeto e diferenças estruturas. In: MOREIRA, A.S.P.; OLIVEIRA, D.C. Estudos interdisciplinares de representação social. 2. ed. rev.Goiânia: AB, 2000. p. 271-283 CASTRO, C.A. História da biblioteconomia brasileira: perspectiva histórica. Brasília, DF: Thesaurus, 2000. CONSELHO FEDERAL DE BIBLIOTECONOMIA. Resolução n.º 42 de 11 de Janeiro de 2002. Dispõe sobre Código de Ética do Conselho Federal de Biblioteconomia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14 jan. 2002. Seção 1, p. 64. CURY, M. C.; RIBEIRO, M. S. P.; OLIVEIRA, N. M. Bibliotecário universitário: representações sociais da profissão. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 11, n.1, 2001. Disponível em: <http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/>. Acesso em: 25 set. 2004. DUARTE, M.A.; ALVES-MAZZOTTI, A.J. A representação social de ‘menino de rua” por crianças e adolescentes de classe média. In: MOREIRA, Antonia Silvia Paredes. Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Ed. Universitária, 2001. p. 391-410. DUCROT, O.; TODOROV, T. Dictionnaire encyclopédique des sciences du langage. Paris: Edtions du Seuil, 1972. DUDZIAK, E.A. Information literacy education: integração pedagógica entre bibliotecários e docentes visando a competência em informação e o aprendizado ao longo da vida. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 12., Recife, 2002. Anais... Recife: UFPE/SIB, 2002. 1 CD-ROM. ______. Information literacy uma revolução silenciosa: diferentes concepções para a competência em informação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 20., Fortaleza, 2002a. Anais... Fortaleza, 2002. 1 CD-ROM. ______. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, DF, v.32, n.1, p.23-35, jan./abr.2003. DUDZIAK, E.A.; GABRIEL, M.A.; VILLELA, M.C.O. A educação de usuários de bibliotecas universitárias frente à Sociedade do Conhecimento e sua inserção nos novos paradigmas educacionais. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 11., Florianópolis, 2000. Anais. Florianópolis, 2000. 1CD-ROM. FARR, R.M. Representações sociais: a teoria e a sua história. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. Textos em representações sociais. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 31-62. FERREIRA, D.T. Profissional da informação: perfil de habilidades demandadas pelo mercado de trabalho. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 32, n. 1, p. 42-49, jan./abr. 2003. Disponível em: <www.scielo.br>. Acesso em: 02 set. 2005. FIGUEIREDO, N. M. Estudo de uso e usuários da informação. Brasília, DF: IBICT, 1994. FLAMENT, C. Aspects périphériques des représentations sociales. In: GUIMELLI, D.C. (Ed.). Structures et transformations des représentations sociales. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1994. FREIRE, I.M.; NATHANHSON, B.M.; TAVARES, C.; SANTO, C.E. Estudos de usuários: o padrão que une três abordagens. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 31, n.3, set./dez. 2002. Disponível em: <www.scielo.br>. Acesso em: 02 set. 2005. GARCIA, J.C.R. Bibliotecário: informar tudo a todos. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 2, n. 1, 1992. Disponível em: <www.informacaoesociedade.ufpb.br>. Acesso em: 11 jun. 2004. GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. GRIZE, J-B. Lógica natural e representações sociais. In: JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: Ed UERJ, 2001. p. 123-137. GROGAN, D. Prática do serviço de referência. Brasília, DF: Briquet Lemos, 2001. GUIRADO, M. Instituição e relações afetivas: o vínculo com o abandono. São Paulo: Cada do Psicólogo, 2004. HALL, S. Identidade e diferença. Rio de Janeiro: Vozes, 2000. JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: Ed UERJ, 2001. JODELET, D. Representaciones sociales: contribución a un saber sociocultural sin fronteras. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 23-38, jul./dez. 2004. LIPIANSKI, E. M. Identité et communication. Paris: PUF, 1992. MADEIRA, M. C. A (re) construção da teoria na prática do professor: os sentidos de aprendizagem. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 14/15, p.207-222, 2002. ______. Representações sociais: pressupostos e implicações. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 72, n. 171, p. 129-144, maio/ago.1991. ______. Representações sociais e educação: importância teórico-metodológica de uma relação. In: MOREIRA, A. S. P. Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Ed. Universitária, 2001. ______. Representações sociais e processo discursivo. In: MOREIRA, A.S.P. et al. Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Ed. Universitária, 2005. p. 459-470. ______.; TURA,L. F.R.; FERREIRA, H. Informática educativa para professores do ensino fundamental: desvelando sentidos sociais. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, p. 323-332, 2002. Especial Temática. MARTINS, W. A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca. 3. ed. São Paulo: Ática, 2002. MENDES, J. O desafio das identidades. In: SANTOS, B.S. (Org.). A globalização e as ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 503-540. MILANESI, L. Biblioteca. Cotia: Ateliê Editorial, 2002. ______. Formação do informador. São Paulo, 2002. Disponível em: www.bax.com.br/Bax?Artigos/formacaoDoInformador.htm. Acesso em: 27 set. 2004. ______. A casa da invenção: biblioteca centro de cultura.Cotia: Ateliê Editorial, 2003. MILES, M.B.; HUBERMAN, A.M. Expanded sourcebook qualitative data analysis. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, c1994. 338 p MOITA, M.C. Percursos de formação e de trans-formação. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Ed. Porto, 2000. p. 111-140. MOLINER, P. Images et représentations sociales. Grenoble: PUG, 1996. MOSCOVICI, S. Das representações coletivas às representações sociais: elementos para uma história. In: JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 45-66. ______. Representações sociais da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. ______. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003. NÓBREGA, S.M. Sobre a teoria das representações sociais. In: MOREIRA, A.S.P. Representações sociais: teoria e prática. João Pessoa: Ed. Universitária, 2001. p. 55-87 NOVA ESCOLA. São Paulo: Abril, n. 162, maio 2003. PIEDADE, M.A.R. Introdução à teoria da classificação. 2. ed.rev.ampl. Rio de Janeiro: Interciência, 1983. RANGANATHAN, S.R. The five laws of library science. Bombay: Asia Publishing House, 1967. RICHARDSON, R.J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3.ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 1999. 334 p. il. ROSA, M.N.B. Cotidiano de Biblioteconomia: um estudo de práticas informacionais. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 11, n. 1, jan./jun. 2001. Disponível em: http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/. Acesso em: 25 set. 2004. ROWLING, J.K. Harry Potter e a pedra filosofal. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. 263p SÁ, C.P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1996. SANTAELLA, L. Produção de linguagem e ideologia. 2. ed. Campinas: Cortes, 1996. SCHWARCZ, L.M. A longa viagem da biblioteca dos reis: do terremoto de Lisboa à independência do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2002. SILVA, W.C. A utilização da biblioteca escolar como recurso de ensino-aprendizagem em livros de didática. 1991. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 1991. SILVA, W.C. Miséria da biblioteca escolar. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999. SOUZA, F.C. A escola de Biblioteconomia e a ancoragem da profissão de bibliotecário. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 11, n.2, jul./dez. 2001. Disponível em: http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/. Acesso em: 25 set. 2004. ______. Educação bibliotecária, pesquisa em educação bibliotecária e novas DCN (Diretrizes Curriculares Nacionais) do Curso de Biblioteconomia no Brasil. Informação & Sociedade, João Pessoa, v.12, n.2, jul./dez. 2002. Disponível em: http://www.informacaoesociedade.ufpb.br/. Acesso em: 25 set. 2004. TAP, P. Identités collectives et changements sociaux: production et affirmation de l’Identité. Toulouse: Ed. Sciences de L’Homme, 1979. TARGINO, M.G. Práxis bibliotecária. Informação & Sociedade, João pessoa, v. 7, n.1, 1997. Disponível em: www.informacaoesocieade.ufpb.br. Acesso em: 11 jun. 2004. TEIXEIRA, A. Educação para a democracia. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1997. TURA, L.F.R. AIDS e estudantes: a estrutura das representações sociais. In: JODELET, D.; MADEIRA, M.C. (Org.). AIDS e representações sociais: à busca dos sentidos. Natal: EDUFRN, 1998. p. 121-154. VALENTIM, M.P. (Org.). Profissionais da informação: formação, perfil e atuação profissional. São Paulo: Polis, 2000. ______. Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002. VERGES, P. L'évocation de l'argent: une méthode pour la définition du noyau central d'une représentation. Bulletin de Psychologie, v. 45, n. 405, p. 203-209, 1992. VILLELA, V.M.; PRADO, A.A.; TURA, L.F.R. Representações sociais da disciplina escolar. Revista de Ciências Sociais, Florianópolis, p. 289-296, 2002. Especial Temática. WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. São Paulo: Nova Cultural, 1999.pt_BR
Aparece nas coleções:Teses e Dissertações não defendidas na UFRJ

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
dissertacao Erica Resende.pdf3,94 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.