Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/15675
Type: Trabalho de conclusão de graduação
Title: Mortalidade infantil por doenças respiratórias agudas na Região Sudeste do Brasil (2009-2014): uma análise a partir dos Sistemas de Informação do Ministério da Saúde
Author(s)/Inventor(s): Duarte, Márcia Cristina da Luz
Advisor: Cardoso, Andrey Moreira
Co-advisor: Farias, Yasmin Nascimento
Abstract: A magnitude das doenças respiratórias agudas permanece expressiva no Brasil. Casos graves e óbitos, geralmente causados por pneumonia e influenza, são mais frequentes em crianças e idosos. A análise das causas específicas de mortalidade segundo características da população propicia a identificação de grupos mais vulneráveis e subsidia o planejamento de intervenções a fim de reduzir iniquidades. O trabalho teve como objetivo descrever as Taxas de Mortalidade Infantil (TMI) global e específicas por Doenças do Aparelho Respiratório (Cap. X - CID 10); por Infecção Respiratória Aguda (IRA); e por Pneumonia & Influenza (P&I) segundo sexo, idade e raça/cor. No estudo descritivo utilizaram-se dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) referentes à região Sudeste do Brasil de 2009 a 2014. As tabulações foram obtidas por meio do programa TabWin e os dados analisados no Excel Microsoft Office. Foram estimadas TMI pelo Cap. X, IRA e P&I pelo método direto (dividindo-se o número de óbitos de crianças menores de um ano de idade pelo número de nascidos vivos), sendo também estimadas TMI segundo seus componentes: neonatal precoce, tardio e pósneonatal. Foram comparadas as taxas anuais ao longo do período e as taxas nos triênios 2009-2011 e 2012-2014. A TMI na região Sudeste declinou de 13,2 para 11,7/1.000 NV entre 2009 e 2014. O período neonatal precoce apresentou a TMI mais elevada em ambos os triênios (6,2 e 6,0/1.000 NV). A TMI por Doenças do Aparelho Respiratório, IRA e P&I foram maiores no período pós-neonatal. O sexo masculino apresentou TMI superior ao sexo feminino em todos os anos do período analisado. Na análise por raça/cor, a TMI mais elevada do período foi para a categoria indígena (14,8/1.000 NV), a qual diminuiu 50% entre os triênios (27,6 para 11,5/1.000 NV); na categoria “branca” houve um aumento de 16,8% (11,9-13,7/1.000 NV). Os indígenas apresentaram maior TMI para todos desfechos analisados. Apesar de potenciais limitações na qualidade da informação, a TMI no Sudeste vem caindo, sendo menor que a nacional. Os óbitos infantis prevalecem no período neonatal precoce e no sexo masculino. Observaram-se desigualdades na TMI por doenças respiratórias, IRA e P&I entre os grupos de cor/raça, com desvantagem para os indígenas. A maioria dessas causas de óbito é considerada evitável, demandando ações que promovam redução dessas iniquidades.
Keywords: Mortalidade infantil
Doenças respiratórias
Pneumonia
Influenza humana
Sistemas de informação em saúde
Região Sudeste
Infant mortality
Respiratory tract diseases
Influenza, human
Health information systems
Southeast Region
Brazil
Subject CNPq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS
Production unit: Instituto de Biologia
Publisher: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Issue Date: 2018
Publisher country: Brasil
Language: por
Right access: Acesso Aberto
Citation: DUARTE, Márcia Cristina da Luz. Mortalidade infantil por doenças respiratórias agudas na Região Sudeste do Brasil (2009-2014): uma análise a partir dos Sistemas de Informação do Ministério da Saúde. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Biológicas - Modalidade EAD) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.
Appears in Collections:Ciências Biológicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MCLDuarte.pdf520.32 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.