Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/1863
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCoutinho, Eduardo Granja-
dc.contributor.authorBarbosa, Suzana Corrêa-
dc.date.accessioned2017-04-28T15:11:43Z-
dc.date.available2017-04-30T03:00:09Z-
dc.date.issued2008-12-04-
dc.identifier.citationBARBOSA, Suzana Corrêa. Onde vadiação se faz tradição: a negaça da capoeira na luta pela cultura. 2008. 185 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/1863-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCapoeirapt_BR
dc.subjectCultura popularpt_BR
dc.subjectCultura negrapt_BR
dc.titleOnde vadiação se faz tradição: a negaça da capoeira na luta pela culturapt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2650649315934001pt_BR
dc.contributor.referee1Passos Neto, Nestor Sezefredo dos-
dc.contributor.referee2Cabral, Muniz Sodre de Araujo-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/5048383145015647pt_BR
dc.description.resumoA partir dos conceitos de tradição, contra-hegemonia e cultura, e tendo se baseado em teóricos como Marilena Chauí, Renato Ortiz, Muniz Sodré e Eduardo G. Coutinho, além de estudiosos-capoeiristas, este trabalho pretende analisar a manifestação da capoeira através da História do Brasil, buscando entendê-la como uma tradição viva, uma articulação orgânica entre o povo e suas expressões culturais. Para tanto, busca-se compreender a cultura através de uma perspectiva dialética, que consistiria em uma ação criadora do sujeito reinterpretando os signos do passado. Utilizando-se ainda do pensamento de Mikhail Bakhitin, que concebe o signo como a “arena onde se desenvolve a luta de classes” (1997, p. 46), e de Antônio Gramsci, que afirma ser a luta política a luta pela construção de uma nova hegemonia, a pesquisa procura enxergar de que forma a capoeira – desde suas primeiras aparições até os dias de hoje – permanentemente reelabora os signos do passado, recriando suas formas de expressão no presente e demandando respostas das gerações futuras. Por conseguinte, dá-se a comunicação intergeracional de maneira não-dialógica e concebe-se a capoeira como tradição.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentEscola de Comunicaçãopt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAOpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Comunicação - Jornalismo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SCBarbosa.pdf2,4 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.