Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/194
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorOliveira, Antonio Jose Barbosa de-
dc.contributor.authorMendonça, Mariana Fernandes-
dc.date.accessioned2016-04-29T17:17:10Z-
dc.date.available2016-05-02T03:00:06Z-
dc.date.issued2013-03-06-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/194-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFotografia digitalpt_BR
dc.subjectMemória socialpt_BR
dc.subjectSociedade do espetáculopt_BR
dc.subjectRedes sociaispt_BR
dc.subjectFacebookpt_BR
dc.titlePara sempre lembrar: a fotografia digital e o fetiche pela memória.pt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6981609595879671pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Araújo, André de-
dc.contributor.advisorCo1Latteshttp://lattes.cnpq.br/7551780669212379pt_BR
dc.contributor.referee1Costa, Robson Santos-
dc.contributor.referee2Pontes, Samantha Eunice de Miranda Marques-
dc.description.resumoO presente trabalho aborda questões referentes ao advento da fotografia digital, seus usos e consequências. A pesquisa traça um breve panorama histórico da fotografia, analisando seu papel como documento. O trabalho alerta para o lugar da memória coletiva, que pode ser ameaçado em meio a uma sociedade que produz documentos fotográficos digitais em uma velocidade alarmante. Essa questão, da memória social, é analisada sob o princípio de que a fotografia constitui um lugar de memória, onde em si, guarda informações importantes sobre fatos, pessoas e lugares. Uma das causas para esse fenômeno que se denomina “fetiche pela memória” é a espetacularização fomentada pelas redes sociais. Atualmente, pode-se afirmar que um dos principais motivos que levam as pessoas a “clicarem” compulsivamente, é a necessidade de postar essas imagens em suas páginas pessoais do Facebook ou Twitter. Nesses espaços perde-se um pouco da noção de público/privado; o que se vê é uma publicização de espaços privados. Parte-se do princípio que essa produção exacerbada de fotografias seria gerada pelo medo do esquecimento, medo de perder o momento que foi vivenciado. O trabalho também propõe uma análise de conteúdo de postagens em perfil no Facebook, articulando conceitos do campo transdisciplinar da memória social com aspectos da filosofia da linguagem, a partir de abordagens do filósofo russo Mikhail Bakhtin.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Administração e Ciências Contábeispt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::CIENCIA DA INFORMACAO::BIBLIOTECONOMIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Aparece nas coleções:Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC-2 - versao final.pdf2,23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.