Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/2114
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorVinha, Valeria Gonçalves da-
dc.contributor.authorMacedo, Cintia Cordeiro-
dc.date.accessioned2017-05-30T15:47:51Z-
dc.date.available2017-06-01T03:00:13Z-
dc.date.issued2012-04-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/2114-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectMigraçãopt_BR
dc.subjectPesquisa Nacional por Amostra de Domicílio - PNADpt_BR
dc.subjectPrograma assistencialpt_BR
dc.subjectBrasilpt_BR
dc.titleMigração de retorno, programas assistenciais do governo federal e rotatividade migratória no nordeste brasileiro: 1995-2009pt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/3280553357101647pt_BR
dc.contributor.referee1Carvalho, René Louis de-
dc.contributor.referee2Lavinas, Maria Helena-
dc.description.resumoObserva a relação entre os programas assistenciais do Governo Federal e a chamada migração de retorno para a Região Nordeste no período de 2000 a 2006, a partir de dados do Censo Demográfico de 2000 e das Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios (PNADs) de 2004 e 2006, além de apresentar uma análise específica do Índice de Rotatividade Migratória, publicado em 2009. Analisando os novos padrões da migração brasileira, percebeu-se que a Região Sudeste passou a não ser tão atrativa e a Região Nordeste passou não só receber seus naturais de volta como também a ter menores volumes de população deixando a região em direção a outras. Nesse contexto, a migração de retorno configurou-se a grande novidade evidenciada pelo Censo de 2000. Foi possível ainda, verificar as características desse migrante retornado em comparação ao migrante de não retorno, que no geral é mais jovem, bem educado e está inserido, em sua maioria, em ocupações informais. Também descrevemos os principais programas sociais do Governo Federal, destacando a magnitude e a importância do Bolsa Família, averiguando como essas transferências direta de renda podem ter influenciado a decisão do migrante de retornar a sua região de origem. De acordo com dados mais recentes, as cidades brasileiras que se encontram em rotatividade migratória são aquelas que possuem um equilíbrio entre o número de entradas e saídas de população. Os resultados deste estudo confirmam a importância da migração de retorno para a Região Nordeste, mas não confirmam uma relação estreita entre a remigração para esta região e os programas de transferência direta de renda do Governo Federal. Além disso, revelam a constante mudança dos fluxos migratórios pelos quais o país vem passando, uma vez que a situação de rotatividade migratória pelos estados parece ser a mais nova tendência dos movimentos migratórios brasileiros.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Economiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Ciências Econômicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CCMacedo.pdf736,05 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.