Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/2742
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCastro, Alceu Lemos de-
dc.contributor.authorOliveira, Aida Maria Eskinazi de-
dc.date.accessioned2017-08-26T00:26:46Z-
dc.date.available2017-08-27T03:00:19Z-
dc.date.issued1979-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/2742-
dc.description.abstractThe chief purpose of this study is to get facts on the relationships of the estuarine fishes, to natural water salinity. This study is on the basis of the data collected during the years 1966 to 1976 in several estuaries of the northeast Brasil, from the Ceará State to Sergipe State. An inventory of the fishes collected and a small study on the salinity gradiant in these estuaries were also made, including data found in the references. A total of 158 species are refered, and only two species are of the Class Elasmobranchii . On the basis of the 142 species studied, the fishes of the estuaries of the northeast Brazil were placed into 5 ichthyofaunistic components: fresh water, oligohaline, marine stenohaline, marine euryhaline and complet euryhaline. The freshwater component, comprises a few salt-tolerant species derived from the rivers and found in salinities below 15° /oo. The oligohaline component, those species with marine affinities restricted to estuaries but tolerating freshwater. The marine stenohaline component, includes those species derived from the sea and do no penetrate into estuaries below salinities of 25° /oo. The marine euryhaline component comprises those species derived from the sea and tolerate salinities below 25° /oo. The complet euryhaline component are those species that inhabit both pure freshwater and salt water indifferently. There is a relationship between water salinity and the number of species: the number of marine species decreases with decreasing salinity, the contrary being true of freshwater species, on the other hand, the number of oligoaline species is practically stable in the recorded salinity levels. Also, there is a predominance of the marine species, even in the low salinities.en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectPeixespt_BR
dc.subjectBrasil, Nordestept_BR
dc.titleDistribuição dos peixes nos estuários do nordeste brasileiro de acordo com a salinidade da águapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.description.resumoApresenta as relações existentes entre os peixes estuarinos e a salinidade da água, em ambiente natural. Está baseado material coletado, durante o período de 1966 a 1976, em diversos estuários do nordeste brasileiro, desde o Estado do Ceará ao de Sergipe. Este trabalho também inclui uma breve análise da variação da salinidade das águas estuarinas da área de estudo e um levantamento das espécies de peixes referidas para os ambientes em questão. Para isto, além dos dados coletados durante a pesquisa, foram utilizados os encontrados na bibliografia consultada. De acordo com os dados encontrados, para 142 espécies estudadas, foram determinados 5 componentes ictiofaunísticos para os ambientes estudados, segundo a tolerância à salinidade da água: componente de água doce, oligoalino, marinho estenoalino, marinho eurialino e eurialino completo. O componente de água doce, compreende umas poucas espécies, derivadas dos rios e tolerando salinidades até 15° /oo; o oligoalino, aquelas espécies com afinidades marinhas restritas aos estuários, mas tolerando água doce; o marinho estenoalino, inclui as espécies derivadas do mar que toleram apenas salinidade superior a 25° /oo; o marinho eurialino, as espécies derivadas do mar tolerando salinidade abaixo de 25° /oo; e o eurialino completo, que inclui as espécies que vivem indiferentemente em todos os meios, desde a água doce à água do mar. Um esquema gráfico da distribuição do número de espécies em relação à variação da salinidade da água, revela que o número de espécies marinhas diminui com o declínio da salinidade, ao passo que o número de espécies de água doce diminui com o aumento daquele fator ambiental. E que as espécies oligoalinas, são praticamente estáveis em número, nos níveis de salinidades em que foram encontradas. Verifica-se também, que a ictiofauna é predominantemente marinha, mesmo em águas de baixa salinidade.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentMuseu Nacionalpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Zoologia)pt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ZOOLOGIA::ZOOLOGIA APLICADApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Zoologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
200367.pdf12.56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.