Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/4103
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSchmitt, Renata da Silva-
dc.contributor.authorAssis, André Pereira de-
dc.date.accessioned2018-06-25T17:59:31Z-
dc.date.available2018-06-27T03:00:33Z-
dc.date.issued2016-07-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/4103-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectEstratigrafiapt_BR
dc.subjectGrupo Serra Grandept_BR
dc.subjectGrupo Canindépt_BR
dc.subjectBacia do Parnaíbapt_BR
dc.subjectPaleogeografiapt_BR
dc.titleOs sistemas siluriano e devoniano em afloramentos da borda leste da Bacia do Parnaíba e correlações no Godwana Ocidentalpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2313290767284040pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7857774427597250pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Martins, Francisco José Corrêa-
dc.contributor.advisorCo1Latteshttp://lattes.cnpq.br/8187410723985449pt_BR
dc.contributor.advisorCo2Linol, Bastien-
dc.contributor.referee1Almeida, Leonardo Fonseca Borghi de-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5821487047888554pt_BR
dc.contributor.referee2Romeiro, Marco Antônio Thoaldo-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/9382878605131115pt_BR
dc.description.resumoOs intervalos Siluriano e Mesodevoniano-Eocarbonífero da Bacia do Parnaíba, representados pelos grupos Serra Grande e Canindé, correspondem a um importante registro da evolução da margem ocidental do Gondwana. Estes grupos estratigráficos são predominantes na borda leste da Bacia do Parnaíba e são os principais formadores do relevo preponderante na Serra de Ibiapaba, na divisa dos estados do Piauí e Ceará. A Bacia do Parnaíba ainda é considerada uma bacia pouco conhecida, pois os trabalhos publicados são escassos e geralmente apresentam abordagem pontual sem integração regional. O objetivo deste trabalho é trazer novos dados sedimentológicos e estratigráficos, obtidos através do levantamento de campo e análise estratigráfica em detalhe, buscando contribuir para um melhor conhecimento da bacia na seção do Paleozóico Inferior correlacionando com os dados da literatura sobre a margem ocidental do Paleocontinente Gondwana. A análise estratigráfica se baseou na descrição de 14 fácies sedimentares, as quais foram englobadas em cinco associações de fácies, sendo três destas pertencentes ao Grupo Serra Grande e duas ao Grupo Canindé. Na base da Formação Ipu, do Grupo Serra Grande, foi estudado um afloramento ainda não descrito na literatura, que corresponde a uma espessa sucessão de diamictitos e lamitos, interpretados aqui como de origem glacial, correlacionáveis aos tilitos descritos na literatura que ocorrem nas proximidades Serra da Capivara. Este grupo registra uma sedimentação predominantemente continental fluvial sob influência marinha, em ambiente glacial. O contato com a unidade adjacente, Grupo Canindé, foi interpretado como discordante. No Grupo Canindé a sedimentação é predominante influenciada por processos marinhos, que são registros das grandes inundações que atingiram o Gondwana durante o Devoniano. Neste trabalho, propõe-se a comparação e correlação regional com bacias interiores que compõe o Gondwana Ocidental, sendo estas as bacias do Paraná, Congo e Cape-Karoo. Os registros sedimentares estudados nas associações de fácies aqui descritas, possuem seus equivalentes nas bacias do Paraná (Sul do Brasil) e Cape-Karoo (África do Sul). A análise estratigráfica, juntamente com a análise das paleocorrentes, permitiu a interpretação dos possíveis paleoambientes deposionais e seus contextos paleogeográficos na configuração das bacias do Gondwana Ocidental, baseado em modelos de reconstrução. Os sentidos de paleocorrentes obtidos neste trabalho sugerem uma sedimentação vinda de Sul/Sudeste, com sentidos Noroeste (~310°), o que se diverge dos sentidos regionais nas demais bacias (Paraná e Cape-Karoo). O que pode sugerir a existência de um alto estrutural que separava estas bacias no Paleozoico Inferior. Assim como pode explicar a ausência de registro sedimentar siluro-devoniano na Bacia do Congo (África Central).pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::ESTRATIGRAFIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Geologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ASSIS, A.P.pdf5,27 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.