Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4171
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Avaliação do efeito térmico das intrusivas ígneas em um horizonte potencialmente gerador da Bacia do Paraná: formação Irati
Autor(es)/Inventor(es): Souza, Igor Viegas Alves Fernandes de
Orientador: Mendonça Filho, João Graciano
Coorientador: Menezes, Taissa Rêgo
Resumo: A Formação Irati é considerada uma das mais importantes sequências potencialmente geradoras de hidrocarbonetos da Bacia do Paraná, sendo constituída por folhelhos e carbonatos ricos em matéria orgânica geradora de óleo e que se apresentam imaturas em condições normais de soterramento, ou maturas/supermaturas quando termicamente alteradas sob influência local de intrusivas ígneas. O objetivo principal deste trabalho é analisar o comportamento dos parâmetros organopetrográficos e organogeoquímicos nas zonas afetadas termicamente por corpos ígneos na seção rítmica carbonática-siliciclástica da Formação Irati, determinando o perfil de evolução térmica e caracterizando o processo de geração de hidrocarbonetos líquidos e gasosos. Para tanto foram realizadas análises organogeoquímicas (Carbono Orgânico Total – COT, Pirólise Rock-Eval e Biomarcadores) e organopetrográfica (Petrografia Orgânica, Índice de Coloração de Esporos – ICE e Medida do Poder Refletor da Vitrinita - %Ro) em 104 amostras da Formação Irati de três porções da Bacia do Paraná, para a determinação da quantidade, qualidade e grau de evolução térmica dessas amostras. Deste total, 6 foram coletadas de um testemunho de sondagem (5-CA-73-RS-19) localizado no Estado do Rio Grande do Sul, 62 foram coletadas no testemunho de sondagem situada no Estado do Paraná (RN 16/96) e 36 foram coletadas em um afloramento no Estado de Goiás. De modo geral, as análises organopetrográficas associadas aos dados de COT e Pirólise Rock-Eval mostraram que a Formação Irati apresenta qualidade e quantidade adequadas de matéria orgânica para geração de quantidades significativas de petróleo. O fator limitante no processo natural de geração foi o efeito térmico, que, neste caso, foi em parte fornecido por intrusivas ígneas (diques e/ou sills). As análises de Biomarcadores indicaram um baixo grau de evolução térmica para o extrato orgânico, não comprovado pelos parâmetros ópticos (ICE e %Ro), os quais evidenciaram um elevado grau de maturação térmica para o querogênio, sugerindo a presença de hidrocarbonetos migrados. Esta foi a principal causa da ausência de correlação entre esses parâmetros de evolução térmica. Foi constatado que a espessura da seção afetada pelo efeito térmico de intrusivas ígneas não depende unicamente da espessura da intrusiva, mas depende também de outros fatores: temperatura de intrusão do corpo ígneo, profundidade em que ocorreu a intrusão e, provavelmente, a condutividade térmica (composição mineralógica, composição orgânica, permeabilidade, porosidade e fluidos presentes), que explicaria as diferenças observadas nos dois estados, pois a região supermatura, no testemunho realizado no Paraná, é bem maior que a matura, ocorrendo o oposto no perfil realizado no estado de Goiás.
Palavras-chave: Formação Irati
Geoquímica orgânica
Rochas ígneas
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA::GEOQUIMICA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Ago-2004
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4171
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SOUZA, I.pdf1,48 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.