Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4246
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Aplicação de palinofácies na caracterização paleoambiental da formação Codó, cretáceo da Bacia do Parnaíba
Autor(es)/Inventor(es): Neve, Igor de Andrade
Orientador: Mendonça Filho, João Graciano
Resumo: Este trabalho tem como objetivo principal à caracterização paleoambiental de uma seqüência sedimentar cretácea pertencente à Formação Codó, através de análises organofaciológicas e organogeoquímicas, utilizando técnicas de microscopia em luz branca transmitida (LBT), luz azul/ultravioleta incidente (autofluorescência). Para tanto, foram confeccionadas e analisadas 41 lâminas organofaciológicas dos Poços UN-24-PI e UN-32-PI, e para completar o estudo foram integrados parâmetros organogeoquímicos obtidos através das análises de carbono orgânico total – COT e enxofre total - ST. Com o intuito de identificar os componentes orgânicos e avaliar o grau de alteração térmica através do Índice de Coloração de Esporos (ICE) foi utilizada a microscopia em luz branca transmitida. A microscopia em luz azul incidente (fluorescência) foi utilizada, tanto para identificação dos componentes lipídicos, como na determinação do grau de preservação dos componentes orgânicos particulados. Posteriormente, os dados organofaciológicos foram recalculados a valores percentuais, com base nos grupos e subgrupos propostos na classificação da assembléia de querogênio.Através das análises de agrupamento obteve-se, os grupos e subgrupos da matéria orgânica, para melhor visualização do grande volume de dados obtidos. OS resultados obtidos na sucessão sedimentar cretácea da Formação Codó analisada foi dividida, de acordo com sua organofaciologia característica. O Poço UN-24 foi divido em 4 intervalos organofaciológicos, variando de um ambiente, proximal, redutor de baixa energia possivelmente salino (lacustre-marginal) a um ambiente proximal, óxico marcado por incursões marinhas (flúvio-lagunar). O Poço UN-32 foi divido em 7 intervalos, variando de um ambiente proximal, continental óxico (flúvio-lacustre) a um ambiente, proximal óxico marcado por incursões marinhas (flúvio-lagunar), alternando com ambientes redutores, de baixa energia. Os maiores valores de COT (3,3 e 5,2%) e ET (0,9 e 1,1%), correspondente aos poços UN-24-PI e UN-32-PI, respectivamente, estão associados a intervalos que predominam fitoclastos amorfizados. Dinoflagelados, do gênero Subtilisphaera, corroboram com a hipótese das primeiras incursões marinhas no Cretáceo na bacia, possivelmente através do domínio Tetiano. Os intervalos que representam as melhores condições para a geração de hidrocarbonetos são os que predominam fitoclasto amorfizado e MOA, porém os poços se apresentam termicamente imaturos com o ICE variando de 2,5 a 3,5.
Palavras-chave: Formação Codó
Cretáceo
Brasil
Palinofácies
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 2007
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4246
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
NEVE, I.A.pdf1,77 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.