Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4330
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Petrografia, química mineral, geotermometria e geobarometria dos corpos Trovão e Flechal, Suíte Pedra Pintada, RR, Brasil
Autor(es)/Inventor(es): Coelho, Mariana Barroso
Orientador: Mendes, Júlio Cezar
Coorientador: Fraga, Lêda Maria Barreto
Resumo: Na porção sul da Folha Vila de Tepequém ocorrem granitóides que compõem a Suíte Pedra Pintada (SPP). A SPP reúne um conjunto de rochas ígneas com composição dominantemente granodiorítica a granítica, bem pouco deformadas, compreendendo os corpos Trovão e Flechal. Esses corpos exibem zoneamento composicional assimétrico caracterizado pela presença de três fácies distintas: sul, central e norte. Estudos petrográficos aliados a análises de química mineral contribuíram para comprovação deste fato e para a caracterização destas fácies. A classificação petrográfica de 26 lâminas foi realizada através de contagem modal de pontos. As doze lâminas de rochas do corpo Trovão foram classificadas como quartzo-dioritos e tonalito para a fácies sul, granodioritos e tonalitos integram a fácies central, enquanto granodioritos e monzogranito constituem a fácies norte. As quatorze lâminas de rochas do corpo Flechal foram classificadas como quartzo-diorito, quartzomonzodiorito, granodiorito e monzogranito para a fácies sul, enquanto a fácies central é constituída por quartzo-diorito, quartzo-monzodiorito e granodiorito, e a fácies norte tem quartzo-sienito, granodioritos e predominantemente monzogranitos. Corpo Trovão: Os quartzo-dioritos predominantes na fácies sul contém plagioclásio, quartzo intersticial, e cerca de 30% de componentes máficos como clinopiroxênio, anfibólio e biotita. Os granodioritos da fácies central são constituídos por plagioclásio fortemente zonado, quartzo intersticial, por vezes recristalizado, microclina e cerca de 20% de componentes máficos como biotita e anfibólio. O monzogranito da fácies norte possui localmente textura do tipo rapakivi e contém quartzo, plagioclásio zonado, microclina e cerca de 5% de componentes máficos representados predominantemente por biotita. Corpo Flechal: O quartzo-diorito da fácies sul contém plagioclásio, quartzo intersticial, e cerca de 25% de componentes máficos como clinopiroxênio, anfibólio e biotita. O granodiorito da fácies central contém plagioclásio de mais de uma geração, quartzo em intercrescimento gráfico, microclina xenomórfica e cerca de 20% de componentes máficos como biotita e anfibólio. Os monzogranitos dominantes na fácies norte tem quartzo, plagioclásio extremamente saussuritizado, microclina e possuem cerca de 7% de componentes máficos representados essencialmente por biotita. Os dados litogeoquímicos indicam que as rochas da SPP pertencem predominantemente à série cálcio-alcalina de alto K, são classificadas como subalcalinas, variando de rochas intermediárias a ácidas e metaluminosas a peraluminosas. O conjunto total de amostras analisadas exibe as mesmas tendências de empobrecimento em TiO2, Fe2O3, MgO, CaO, P2O5 e MnO, bem como de enriquecimento em K2O em direção às fácies mais evoluídas. Os minerais analisados por microssonda eletrônica foram: ilmenita, magnetita, clinopiroxênio, anfibólio, plagioclásio, biotita e K-feldspato para o corpo Trovão, e anfibólio, plagioclásio e biotita para o corpo Flechal. Os cristais de clinopiroxênio foram classificados como augita. Os anfibólios possuem composição predominantemente magnésio-hornblenda para ambos os corpos, porém 4 amostras do corpo Trovão apontaram para composição entre hornblenda actnolita e actnolita. Estas últimas composições devem corresponder ao produto de alteração hidrotermal da augita para anfibólio com composição actnolítica – denominado uralita. Os cristais de biotita analisados da fácies sul apresentam maior teor de Fe do que os cristais da fácies central, que são mais ricos em Mg. O K-feldspato tem composição atingindo até 96,3% de ortoclásio. Os intervalos mínimos e máximos de temperatura e pressão calculados para o par anfibólio/ plagioclásio forneceram média entre 777ºC - 793°C e 4,2 Kbar, para as rochas da fácies sul, e 692ºC - 703°C e 3,2 Kbar, para as da fácies central do corpo Trovão. O corpo Flechal possui faixas de temperatura entre 748ºC - 764ºC e 4,6 Kbar e 678ºC - 686ºC e 3 Kbar, para as rochas da fácies sul e central, respectivamente. As profundidades calculadas para a colocação na crosta das rochas do corpo Trovão são de 9,7 Km para fácies central e 12,5 Km para fácies sul, enquanto as profundidades para o corpo Flechal são de 8,4 Km para fácies central e 15,5 Km para fácies sul. Os valores de temperatura obtidos para o par ilmenita/magnetita são baixos (~251ºC) sugerindo reequilíbrio das fases minerais, possivelmente devido à processos hidrotermais. Os baixos valores de fO2 sugerem a existência de um fluido de caráter redutor atuando durante o processo tardio de hidrotermalismo.
Palavras-chave: Folha Vila de Tepequém
Suíte Pedra Pintada (SPP)
Petrografia
Geotermometria
Geobarometria
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Nov-2013
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4330
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
COELHO, M.B.pdf3,1 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.