Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/4360
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorÁvila, Ciro Alexandre-
dc.contributor.authorCosta, Leandro Bravo Ferreira da-
dc.date.accessioned2018-07-17T16:55:21Z-
dc.date.available2018-07-19T03:00:08Z-
dc.date.issued2010-02-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/4360-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectGranitóidept_BR
dc.subjectMapeamento faciológicopt_BR
dc.subjectCinturão Mineiropt_BR
dc.subjectPetrografiapt_BR
dc.subjectGeoquímicapt_BR
dc.titleGeologia da porção nordeste do granitóide Ritápolis entre Resende Costa e Ritápolis, Estado de Minas Geraispt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/1281397426132157pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2827361294286345pt_BR
dc.contributor.referee1Geraldes, Mauro César-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/6282229671610460pt_BR
dc.contributor.referee2Bongiolo, Everton Marques-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/7782253195806070pt_BR
dc.description.resumoA evolução paleoproterozóica da borda meridional do cráton São Francisco é marcada por intenso magmatismo cujos representantes foram reunidos no cinturão Mineiro. Este cinturão é composto por rochas vulcânicas félsicas e por diversas intrusões máficas e félsicas (gabros, dioritos, granodioritos, tonalitos, e granitos), dentre as quais o granitóide Ritápolis, cuja idade de cristalização é de 2121 ± 7 Ma marca, até o presente estado de conhecimento, o último pulso magmático intrusivo félsico da área estudada. A presente monografia envolveu o mapeamento geológico e faciológico do granitóide Ritápolis. Este corpo apresenta xenólitos de rochas metamáficas do Greenstone Belt Rio das Mortes, é intrusivo nas rochas do gnaisse tonalítico Ramos e é cortado por diques de metadiabásio – diabásio. O estudo faciológico/textural do granitóide Ritápolis possibilitou a separação de suas rochas em três diferentes facies texturais - granulométricas (inequigranular média, inequigranular média foliada e inequigranular grossa). Em relação à petrografia, foram definidas quatro paragêneses minerais: uma relacionada à cristalização magmática do referido corpo constituída de zircão, allanita, apatita, minerais opacos, granada, plagioclásio, microclina, ortoclásio, biotita e quartzo; duas relacionadas a um evento hidrotermal representadas por muscovita, sericita, carbonato e epídoto; e biotita, muscovita, epídoto e zoisíta. E uma última paragênese relacionada a um evento metamórfico de baixa temperatura representada por titanita e clorita. A interpretação de microestruturas nos estudos petrográficos das rochas do granitóide Ritápolis apontou para a presença de foliação magmática em diferentes graus de intensidade. A presença de fraturas nas rochas e em cristais de feldspato, preenchidas por quartzo, feldspato e biotita apontam para a presença de líquidos residuais de fusão magmática durante as fases finais de cristalização, provavelmente causado durante a alocação do plúton na crosta. A caracterização geoquímica aponta para um corpo de composição granítica/riolítica, peraluminoso, sub-alcalino da suíte cálcio-alcalina de alto-K e cujo ambiente tectônico de cristalização ainda é incerto, sendo obtidos resultados relativos a corpos sin/tardi-orogênicos e /ou intra-placa. Os dados geoquímicos comparados com os disponíveis na literatura apontam para a presença de um corpo diferenciado dentro do batólito Ritápolis, com teores de K2O elevados. A partir da idade de cristalização de 2121 ± 7 Ma para o granitóide Ritápolis (considerado como o último pulso magmático félsico da evolução Paleoproterozóica do Cinturão Mineiro, na região de Ritápolis, São Tiago e Cassiterita), admite-se que as transformações metamórficas caracterizadas na mineralogia deste corpo teriam que estar associadas ou ao ápice do metamorfismo do cinturão Mineiro datado do final do paleoproterozóico (por volta de 2050 Ma) ou a evento metamórfico regional de idade Brasiliana.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Geologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
COSTA, L. B.pdf5,05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.