Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/4438
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMendonça Filho, João Graciano-
dc.contributor.authorMarques, Danielle da Silva-
dc.date.accessioned2018-08-09T14:33:02Z-
dc.date.available2018-08-11T03:00:18Z-
dc.date.issued2011-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/4438-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFácies Orgânicapt_BR
dc.subjectFormação Sousapt_BR
dc.subjectBacia do Rio do Peixept_BR
dc.subjectEocretáceopt_BR
dc.titleFácies orgânica de uma seção sedimentar cretácia da Bacia de Sousa, PBpt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/0961099296657502pt_BR
dc.description.resumoA bacia de Sousa localiza-se no extremo oeste do Estado da Paraíba, compreendendo juntamente com outras duas bacias sedimentares (Brejo das Freiras ou Triunfo-Uiraúna e Pombal) as bacias do Rio do Peixe, sendo a bacia de Sousa a maior de todas, ocupando uma área de cerca de 675 Km². O preenchimento sedimentar da Bacia de Sousa é composto predominantemente pelos sedimentos terrígenos continentais do sistema flúvio-lacustre de idade eocretácica do Grupo Rio do Peixe pertencentes a um sistema rifte. A sequência sedimentar da bacia de Sousa é constituída pelas formações, da base para o topo, Antenor Navarro (leques aluviais/ fluvial braided), Sousa (fluvial meandrante, planície de inundação/ lacustre raso) e Rio Piranhas (leques aluviais distais/fluvial braided). Os contatos entre as unidades são gradacionais e a sedimentação sintectônica, sendo que a Formação Sousa, predominantemente pelítica, representa uma fase de maior estabilidade tectônica. Com a recente descoberta de indícios de óleo nas rochas tidas como da Formação Sousa, este trabalho possui como objetivo a determinação das fácies orgânicas, através de análises geoquímicas e a microscopia, de uma seção sedimentar localizada no Sítio Salguinho (Poço 1), Município de Sousa, Paraíba, visando fornecer subsídios para contextualização geológica da ocorrência de exudação de óleo descoberta no Sítio Salguinho. O foco do trabalho é a caracterização da distribuição dos componentes da matéria orgânica em relação a fatores deposicionais, além da determinação da fácies orgânica correspondente. Para isso, vinte e uma amostras foram analisadas como palinofácies e fácies orgânica. Na sucessão sedimentar da Formação Sousa observou-se que há fácies orgânica composta predominantemente por esporomorfos (representados por esporos), fragmentos lignificados e cutículas de vegetais terrestres superiores. Este estudo consistiu numa contagem de 300 a 500 partículas por amostra, através dos métodos de microscopia em luz branca transmitida (MLT) e luz azul incidente (fluorescência). Resultados de índice de coloração de esporos (ICE entre 4,0-6,0), intensidade de fluorescência e biomarcadores indicam que as amostras apresentam baixo estágio de maturidade térmica, sugerindo que a seqüência sedimentar estudada não poderia ter sido responsável pela exudação de óleo encontrada.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Geologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MARQUES, D.S.pdf562.15 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.