Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4743
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorLicha, Antonio Luis-
dc.contributor.authorAssis, Hellen Wallace Lima de-
dc.date.accessioned2018-08-29T22:06:52Z-
dc.date.available2018-08-31T03:00:16Z-
dc.date.issued2017-08-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/4743-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectOperações bancáriaspt_BR
dc.subjectTaxa de jurospt_BR
dc.subjectInflaçãopt_BR
dc.subjectPlano Realpt_BR
dc.titleJuros e Spread bancário: uma análise do período 2011-2017pt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/2371383684105308pt_BR
dc.description.resumoÉ notório que a partir de meados dos anos 90 uma grande mobilização de combate à inflação foi realizada no Brasil. Junto ao Plano Real foram aplicadas diversas reformas institucionais e grandes mudanças normativas e legais, que tinham como objetivo devolver a estabilidade de preços à economia brasileira e reduzir o risco sistêmico de um sistema financeiro coberto de fragilidades. Contudo, apesar dessas mudanças realizadas durante o governo FHC (1995 – 2002) terem sido bem-sucedidas no controle hiperinflacionário, os spreads bancários durante e após esse período nunca alcançaram o mesmo nível que outros países de economia estável. De acordo com a literatura convencional, esta anomalia é vista como uma dos principais fatores que impedem que a relação entre crédito e PIB no Brasil seja considerada satisfatória, quando comparada com referências internacionais. Tendo em vista esse argumento, o objetivo dessa monografia é contribuir para o estudo sobre os determinantes do spread bancário. Para isso, ela busca mostrar que a manutenção de um elevado nível da taxa SELIC vem influenciando direta ou indiretamente o spread bancário no Brasil no período mais recente da economia. Nesse estudo, é utilizado como base o artigo de Oreiro et al. (2006). Através dos resultados dos estudos econométricos apresentados nesse artigo, é feita uma comparação da participação e relevância da taxa SELIC no spread bancário brasileiro nas últimas décadas.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Economiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA MONETARIA E FISCAL::POLITICA FISCAL DO BRASILpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Aparece nas coleções:Ciências Econômicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
HWLAssis.pdf546,24 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.