Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4951
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: A nova fronteira do jornalismo online no Brasil: um estudo de caso da revista Globo a Mais
Autor(es)/Inventor(es): Rossi, Bruna Amaral Lisbôa
Orientador: Costa, Cristiane Henriques
Resumo: Analisa a revista para tablets Globo A Mais, criada em agosto de 2012 pelo jornal O GLOBO, (atualmente disponível na Apple Store e na Play Store) a fim de traçar um perfil do veículo, contextualizando sua relevância no Brasil. Através da análise quantitativa e qualitativa das notícias e matérias veiculadas em três edições da revista (6/10/2014, 8/10/2014 e 17/10/2014) e tomando como horizonte um cenário mundial onde eclodem diariamente novidades tecnológicas, o trabalho busca entender de que modo se comportam as publicações nesse novo veículo (que se encontra ainda em estágio inicial) e como essas inovações contribuem para a construção do jornalismo também como forma de conhecimento e não somente para atender às necessidades do meio tecnológico.
Palavras-chave: Globo a Mais (revista)
Jornalismo online
Internet
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 11-Dez-2014
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: ROSSI, Bruna Amaral Lisbôa. A nova fronteira do jornalismo online no Brasil: um estudo de caso da revista Globo a Mais. 2014. 57 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.
URI: http://hdl.handle.net/11422/4951
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
BRossi.pdf465,68 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.