Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5124
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Análise bioestratigráfica de dois testemunhos a pistão do talude da bacia de Campos, RJ
Autor(es)/Inventor(es): Sanjinés, Antonio Enrique Sayão
Orientador: Vilela, Claudia Guterres
Coorientador: Strohschoen Júnior, Oscar
Resumo: O presente trabalho faz parte da disciplina Estágio de Campo IV, obrigatória para a obtenção do grau de Bacharel em Geologia pela UFRJ. O grande interesse exploratório em depósitos de águas profundas e ultra-profundas justifica a importância de estudos (bio)estratigráficos e sedimentológicos no talude e nas bacia marginais, com o propósito de subsidiar trabalhos de caracterização geotécnica. Foi realizada a análise biocronoestratigráfica de dois testemunhos a pistão do talude continental da bacia de Campos, RJ, com base em foraminíferos planctônicos recentes e sub-recentes. Os testemunhos possuem pouco mais de 4,20 metros de comprimento e foram coletados em cotas batimétricas superiores a 2.100 metros. A preparação e o tratamento das amostras seguiu metodologia padrão para microfósseis calcários. Foram identificadas as biozonas W, X, Y (Pleistocênicas) e Z (Holocênica), e as subzonas Y2 e Y1 para o poço A. No poço B foi possível a individualização das biozonas X, Y e Z, e as subzonas X3, X1, Y4, Y3, Y2 e Y1. Foram reconhecidos os dátuns: (i) desaparecimento de G. flexuosa no topo da zona X, datado em 84 Ka AP, coincidente com o bio-horizonte P. obliquiloculata YP.1; (ii) bio-horizonte P. obliquiloculata YP.2, somente para o poço B, com idades variando entre 74,4 e 67,7 Ka AP; e (iii) bio-horizonte P. obliquiloculata YP.3, com idades variando entre 45 e 42 Ka AP. Foi aplicado o método de Correlação Gráfica para a obtenção de melhores aproximações nos valores de taxas de sedimentação, extensão dos hiatos e descontinuidades estratigráficas. Os valores finais de taxa de sedimentação foram calculados a partir dos gráficos gerados, descontando-se a espessura dos corpos arenosos, pois a deposição destes no talude representa episódios instantâneos no tempo geológico. Os resultados foram: (i) para o poço A, 27,68 Ka de hiato envolvendo as subzonas Y5,Y4 e Y3, na base da zona Y; 0,89 cm/Ka para a zona X; 1,33 cm/Ka para a zona Y1; e 1,09 cm/Ka para a zona Z; (ii) para o poço B, 0,75 Ka de hiato relativo à falta da subzona Y5; 2,89 cm/Ka para as subzonas Y3 e Y2; 2,33 cm/Ka para a subzona Y1; e 1,36 cm/Ka para a zona Z. Foram caracterizados nos testemunhos pelo menos dois eventos de movimento de massa, refletindo momentos de instabilidade do talude na região analisada.
Palavras-chave: Bioestratigrafia
Foraminíferos Planctônicos
Bacia de Campos
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Jun-2004
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5124
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SANJINES, A.E.S.pdf2,13 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.