Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5148
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Análise Faciológica da Formação Itapecuru (Bacia do Parnaíba) em testemunhos de sondagem
Autor(es)/Inventor(es): Pessoa, Vivian Cristina de Oliveira
Orientador: Almeida, Leonardo Fonseca Borghi de
Resumo: A bacia do Parnaíba, dentre as bacias sedimentares do país, talvez seja a menos estudada e, portanto, a menos conhecida do ponto de vista geológico. isto se deve à sua grande extensão areal (cerca de 600.000 Km²), seu afastamento dos grandes centros de pesquisa nacionais e das fracas perspectivas históricas de exploração de petróleo. Em termos de exploração de petróleo – da qual resultou a maior parte de seu conhecimento geológico disponível – os esforços concentraram-se nas décadas de 1960, 1970 e 1980, sem grande resultado prospectivo, o que levou a bacia ser considerada hoje uma “Fronteira Exploratória”. O presente trabalho trata da análise faciológica da Formação Itapecuru, de idade Cretácea Superior (Albiano-?Cenomaniano) que retrata o contexto do final da fase rifte e início da fase drifte na bacia do Parnaíba. A análise foi realizada nos testemunhos de sondagem dos poços 1-UN-24-PI, 1-UN-25-PI, 1-UN-30-PI, 1-UN-32-PI (DNPM/CPRM, Projeto Carvão, 1975), localizados a oeste de Coelho Neto/MA, com os objetivos de caracterizar fácies, interpretar sistemas deposicionais e identificar superfícies estratigráficas para correlação. A finalidade do estudo é avaliar parâmetros geológicos de potenciais rochas-reservatório na formação, como contribuição ao conhecimento geológico em bacias de fronteira exploratória, tendo em vista a possibilidade de um sistema petrolífero Codó–Itapecuru(?). Foram descritas nove litofácies associadas em duas sucessões de fácies (SF1 e SF2): uma de natureza macroclástica (SF1) e outra microclástica (SF2). Tais sucessões foram interpretadas, dentro de um sistema deposicional fluvial, como elementos arquiteturais de um modelo de paleoambiente meandrante (cf. Miall, 1985, 1996), Foram identificadas dois tipos de superfícies estratigráficas genéticas, hierarquizadas em duas ordens arquiteturais. Uma aplica-se na Estratigrafia de Seqüências, como limite de seqüências deposicionais (superfície discordante), enquanto que outra limita elementos arquiteturais de um sistema fluvial (superfície diastêmica). Uma terceira superfície, de natureza litoestratigráfica, formal, foi caracterizada para limitar o contato da Formação Itapecuru com a Formação Codó (limite litoestratigráfico).
Palavras-chave: Formação Itapecuru
Bacia do Parnaíba
Cretáceo
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Mar-2005
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5148
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PESSOA, V.C.O.pdf10,39 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.