Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5201
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Estudo Petrográfico da Formação Rio Doce, na porção emersa da Bacia do Espírito Santo
Autor(es)/Inventor(es): Ribeiro, Carolina da Silva
Orientador: Mello, Claudio Limeira
Coorientador: Ramos, Renato Rodriguez Cabral
Resumo: Os depósitos da Formação Rio Doce, que ocorrem na região norte e leste do estado do Espírito Santo, na porção emersa da bacia do Espírito Santo, são, em geral, compostos por camadas tabulares de arenitos e conglomerados, intercaladas com lentes de argilitos, sendo associados a um ambiente fluvial de rios entrelaçados. Nesta região, esta unidade vem sendo apontada como potencial aquífero e também cogitada como potencial reservatório de hidrocarbonetos. Neste estudo, foram efetuadas análises petrográficas de depósitos aflorantes próximos às localidades de Pedro Canário, Nova Venécia e Boa Esperança, com o objetivo de identificar características em microescala que evidenciem a sua capacidade permo-porosa, além de contribuir para discussões acerca da sua sedimentação.Como resultado, pôde-se reconhecer que são compostos essencialmente de arenitos, com características petrográficas que apontam para atuação de processos diagenéticos superficiais e pedogenéticos modificadores de sua textura e composição original. Em síntese, os arenitos são quartzosos e modificadores de sua textura e composição original. Em síntese, os arenitos são quartzosos e arcoseanos, cuja fonte está associada a rochas de composição granítica a metamórficas de alto grau. Quanto às características texturais, possuem valores moderados de porosidade secundária e de argila autigênica de composição caulinítica, cuja recristalização foi responsável pela incipiente litificação dos depósitos. Os processos que atuaram durante a eodiagênese foram: infiltração de argila detrítica, dissolução dos grãos do arcabouço e formação de cimento filossilicático, e compactação, responsáveis, ao lado de atividades de organismos (bioturbação), pela perda de estruturas internas dos sedimentos, redução significativa da porosidade primária e posterior surgimento de poros secundários. A porosidade secundária, formada principalmente pela contração/encolhimento do material intersticial, pode estar correlacionada à boa capacidade permo-porosa destes depósitos superficiais, contribuindo assim para seu potencial como aquíferos granulares.
Palavras-chave: Bacia do Espírito Santo
Formação Rio Doce
Petrografia
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Fev-2008
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5201
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RIBEIRO, C.S.pdf4,18 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.