Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/5294
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorDal Bó, Patrick Francisco Führ-
dc.contributor.authorBassi, Daniela-
dc.date.accessioned2018-10-08T14:35:33Z-
dc.date.available2018-10-10T03:00:17Z-
dc.date.issued2017-07-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/5294-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectMicritizaçãopt_BR
dc.subjectCoquinaspt_BR
dc.subjectFormação Morro do Chavespt_BR
dc.titleMicritização em Conchas de Biválvios da Formação Morro do Chaves, Bacia de Sergipe - Alagoaspt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/3162440187077806pt_BR
dc.contributor.referee1Barros, João Paulo Porto-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/2631479294043815pt_BR
dc.contributor.referee2Favoreto, Júlia-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/2251718167918934pt_BR
dc.description.resumoA descoberta de importantes campos de petróleo, (e.g Campos de Marlim e Marlim do Sul na Bacias de Campos, Campo de Lula na Bacia de Santos e Campo de Golfinho na Bacia do Espírito Santo), nas bacias de margem leste brasileiras, gerou um crescente interesse nos estudos sedimentológicos buscando a melhor compreensão das rochas carbonáticas que compõem esses sistemas. Dentre essas rochas estão as coquinas, que são geradas através de acumulações de conchas ou fragmentos de conchas depositadas pela ação de algum agente de transporte. As coquinas afloram na Bacia de Sergipe-Alagoas e compõem a Formação Morro do Chaves, a qual é utilizada como base para estudos de reservatórios petrolíferos análogos aos das Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo. O objetivo deste trabalho é estudar o processo de micritização, um dos fatores responsáveis pela alteração do intervalo conchífero da Formação Morro do Chaves, uma vez que são raros ou inexistentes estudos relacionados a esse processo. Para a realização deste trabalho foi utilizado o testemunho de sondagem 2-SMC-1-AL, proveniente da Pedreira Atol, e adicionalmente foram utilizadas 11 lâminas petrográficas. No testemunho foram identificados nove intervalos com bioclastos com envelopes de micrita. A espessura desses envelopes nos intervalos varia de 30 μm a 100 μm e ocorrem em fragmentos de bioclastos e mais frequentemente em bioclastos inteiros, sem nenhuma relação preferencial com a orientação ou concavidade dos bioclastos. Os processos responsáveis pela formação dos envelopes podem ser Micritização Destrutiva ou Construtiva. Apesar da maior parte dos bioclastos estar muito recristalizada, ambos os processos foram identificados nos envelopes de micrita. Os intervalos apresentam predominância em matriz composta por material carbonático, indicando ambiente deposicional de baixa energia (propício para a ocorrência da micritização), no entanto a presença de pequena quantidade de material terrígeno bem selecionado indica descarga fluvial no sistema lacustre levando a entrada de material siliciclástico e ao retrabalhamento das conchas.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Geologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BASSI, D.pdf6,81 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.