Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/5432
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorPechman, Robert Moses-
dc.contributor.authorSilva, Kelly Regina Santos da-
dc.date.accessioned2018-10-19T17:36:07Z-
dc.date.available2018-10-26T03:00:49Z-
dc.date.issued2015-04-09-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/5432-
dc.description.abstractThe Brazilian big cities have been represented by significant economic growth, materialized in large buildings, big events and the power of real estate capital in the definition of uneven urban spaces. In the capitalist mode of production, the inequalities are not assumptions, but assumptions, indicating that sophisticated forms of segregation and distinction are created in order to maintain the status quo by controlling the modes of subjectivity and existence. The homogenizing rationality of capital materializes in the geographical support and strengthen the social places to be occupied by certain classes and groups, creating and recreating the distinction of symbols and power. Thus, the urban enclaves appear as main exit in climbing the distinction not only between the self and the other, but between the city, represented by chaos, violence, conflict, and the tower, refuge, comfort and consensus. So it was with the Alphavilles in São Paulo and with the latest developments called Garden City and Island Pure, located in Barra da Tijuca in Rio de Janeiro. In recent years, Pernambuco entered this way, with colossal condominium built in the metropolitan region of Recife. The recent and emblematic case is the construction of the first "smart city" in Latin America, located in São Lourenço da Mata. The project, to be held in a public-private partnership between state, county and the consortium coordinated by Odebrecht Participações e Investimentos (OPI) and Construtora Norberto Odebrecht (CNO), was driven by the hosting of the World Cup in 2014 and since then he has starred in several rights violations, such removals peoples for construction of access roads. The prospect of the city-company, materialized in urban enclaves, is a denial on the city as a place of holding the public sphere. Is at stake a way of life by which presupposes an idea of equality among equals, no conflicts, no corners streets without taverns, a place that is born ready, the construction of the identity of the place loses more existential aspects and poetic of territoriality, prevails amnesic place. Reflect on how aspects of subjectivity, of otherness and difference are put into play with this experience of building a city, is part of a relevant year in order to draw up new questions about the sociability in the cities, strengthening the thought critical of homogenizing rationality of capital.en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAlteridadept_BR
dc.subjectMercado imobiliáriopt_BR
dc.subjectSegregação urbanapt_BR
dc.subjectSubjetividadept_BR
dc.titleAtrás do muro: cidade e subjetividade, uma visão contemporânea das transformações urbanaspt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de especializaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9409815749486776pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/0768407100985379pt_BR
dc.description.resumoOs grandes centros urbanos brasileiros têm sido representados por um crescimento econômico significativo, materializado na realização de grandes obras, megaeventos e pelo poder do capital imobiliário na definição dos espaços urbanos desiguais. No modo de produção capitalista, as desigualdades não são hipóteses, e sim pressupostos, o que indica que formas sofisticadas de segregação e distinção são criadas a fim de manter o status quo pelo controle dos modos de subjetivação e de existência. A racionalidade homogeneizante do capital materializa-se nos suportes geográficos e fortalecem os lugares sociais a serem ocupados por determinadas classes e grupos, criando e recriando os símbolos de distinção e de poder. Assim, os enclaves urbanos aparecem como principal saída na escalada pela distinção, não só entre o eu e o outro, mas entre a cidade, representada por caos, violência, conflitos, e a cidadela, refúgio, conforto e consenso. Foi assim com os Alphavilles em São Paulo e com os mais recentes empreendimentos chamados Cidade-Jardim e Ilha Pura, localizados na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro. Nos últimos anos, Pernambuco entrou nessa bossa, com condomínios colossais construídos na região metropolitana do Recife. O caso recente e emblemático é a construção da primeira “cidade inteligente” da América Latina, localizada no município de São Lourenço da Mata. O projeto, a ser realizado em uma parceria público-privada entre estado, município e o consórcio coordenado pela Odebrecht Participações e Investimentos (OPI) e a Construtora Norberto Odebrecht (CNO), foi impulsionado pela realização da Copa do Mundo de 2014 e, desde então, já protagoniza diversas violações de direitos, a exemplo de remoções para construção das vias de acesso. A perspectiva da cidade-empresa, materializada nos enclaves urbanos, constitui uma negação relativa da cidade como lugar de realização da esfera pública. Encontra-se em jogo um modo de vida pelo qual se pressupõe uma ideia de igualdade entre os iguais, ausência de conflitos, ruas sem esquinas, sem botequins, um lugar que já nasce pronto, cuja construção da identidade do lugar perde os aspectos mais existenciais e poéticos da territorialidade, prevalece o lugar amnésico. Refletir sobre o modo como os aspectos da subjetivação, da alteridade e da distinção são postos em cena com essa experiência de construção de uma cidade, faz parte de um exercício pertinente, a fim de elaborar novas questões sobre a sociabilidade nas cidades, fortalecendo o pensamento crítico em relação a racionalidade homogeneizante do capital.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regionalpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regionalpt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL::SERVICOS URBANOS E REGIONAIS::ASPECTOS FISICO-AMBIENTAIS DO PLANEJAMENTO URBANO E REGIONALpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Política e Planejamento Urbano

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
KRSSilva-min.pdf378.01 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.