Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5474
Tipo: Trabalho de conclusão de especialização
Título: A divisão sexual do trabalho e a reforma urbana: (des)construindo relações
Autor(es)/Inventor(es): Hereda, Juliana da Silva
Orientador: Lago, Luciana Corrêa do
Resumo: Partindo de uma análise inicial da ocupação Manuel Congo, no centro do Rio de Janeiro - além de outras experiências relacionadas - procura-se observar o papel da mulher como sujeito de transformação do espaço urbano e os reflexos na luta pela Reforma Urbana, bem como nas práticas internas de determinados movimentos sociais e em outras instâncias da sociedade correlatas à questão. Para tanto, buscou-se observar como – e se – a divisão sexual do trabalho e as relações hierárquicas de poder se materializam em uma lógica interna desses movimentos de moradia e seus desdobramentos no pleito da luta pela Reforma Urbana. Algumas questões são centrais nessa análise: o conceito de gênero, hoje em dia tão difundido e em disputa epistemológica e ideológica, talvez complexifique a concepção de desigualdade de gênero para além da relação de dominação do homem sobre a mulher (concepção binária); outras questões também perpassam o tema, como a setorização das políticas públicas; e a contraposição possível levantadas por setores que acreditam no enfraquecimento da luta de classes quando do reconhecimento e destaque das opressões de gênero e raça, ou seja, o conflito com a dita concepção universalizadora da luta de classes que refuta esta pauta. A escassa problematização feita pelo próprio movimento da reforma urbana no que tange as relações de trabalho no processo de construção de uma agenda e de práticas que superem o atual modelo socioeconômico é basilar para o desdobramento do reconhecimento da divisão sexual do trabalho como parte estratégica do debate, em outra medida, associar a discussão das novas formas de territorialidade à desigualdade de gênero no capitalismo atual pode ser uma importante ferramenta. Em suma, objetiva-se ao reconhecer “gênero” como uma categoria analítica, possibilitar a articulação da discussão que permeia as relações de trabalho e as de gênero na produção e reprodução das cidades, mapeando um pouco do que já foi refletido sobre o tema e os possíveis desafios do debate, a partir de um caso específico.
Resumo : Starting from an initial analysis of the Manuel Congo occupation, in downtown Rio de Janeiro - besides other related experiences – the aim is to observe the role of the woman as subject of the urban space transformation and its reflexes in the fight for the Urban Reform, as well as in the internal practices of determined social movements and in other parts of society correlated to the issue. To this end, it was sought observing how – and if – the sexual division of labor and the hierarchical power relationships materialize in the internal logic of these housing movements and its developments in the fight for Urban Reform. Some issues take central stage in this analysis, like the gender concept. This concept - widely reported nowadays – and also caught between an epistemological and ideological dispute, might complexify the gender inequality concept to something beyond the relationship of domination of men over women (Binary concept). Other issues include the setorization of public politics and the possible opposition of other sectors that believe in the weakening of the class struggle and also in the highlight of gender and race oppression, that is to say, the conflict between the universal concept of class struggle and the sector that refutes this issue. The scarce problematization made by the urban reform movement itself – in regards to labor relationships in the construction process of an agenda and also in practices that surpass the current social-economic model are center-piece to the unfolding of the recognition of sexual division in labor as an strategic part of the debate. In other words, associating the discussion of new territorial forms to gender inequality in contemporary capitalism can be an important tool. In sum, the main goal it to recognize “gender” as an analytical category, facilitating the articulation of the discussion that permeates the labor and gender relationships in the production and reproduction of cities, mapping a little of what has already been studied about the topic and the possible challenges of the debate, based in a specific case.
Palavras-chave: Espaço urbano
Política urbana
Relações de gênero
Divisão do trabalho
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL::SERVICOS URBANOS E REGIONAIS::ASPECTOS SOCIAIS DO PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL
Programa: Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional
Departamento: Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 1-Set-2014
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5474
Aparece nas coleções:Política e Planejamento Urbano

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
JSHereda-min.pdf350,38 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.