Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/5787
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCorrêa, Rodrigo José-
dc.contributor.authorGomes, Rodrigo Moreira-
dc.date.accessioned2018-11-21T22:49:44Z-
dc.date.available2018-11-23T02:00:13Z-
dc.date.issued2018-01-29-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/5787-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAsfaltopt_BR
dc.subjectOxigênio singletept_BR
dc.subjectEspectroscopiapt_BR
dc.subjectFluorescênciapt_BR
dc.titleEstudo da degradação de asfalto brasileiro por oxigênio singletept_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9359368411913637pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6963438554734546pt_BR
dc.description.resumoO presente trabalho teve por objetivo estudar a capacidade de geração de oxigênio singlete pelo asfalto e a reatividade do asfalto frente ao oxigênio singlete, buscando entender se o oxigênio singlete é um dos responsáveis pela degradação do asfalto. Para tal, foi utilizado técnicas de espectroscopia de UV-vis e de fluorescência onde foi possível obter indícios de que o asfalto é capaz de gerar oxigênio singlete e se degradar perante ele. Na análise da formação do oxigênio singlete pelo método direto, foi observado uma banda com máximo em 1272 nm, característico do decaimento do estado 1Δg para o estado fundamental 3Σg- do oxigênio singlete. No método indireto, foi observado uma maior queda na intensidade de fluorescência do difenilantraceno na amostra que continha asfalto, comprovando que, o asfalto tem a capacidade de formar oxigênio singlete que então, reage com o difenilantraceno, formando o seu endoperóxido e consequentemente, diminuindo sua intensidade de fluorescência. Já na análise da degradação por oxigênio singlete, é observado uma maior queda na área no espectro de fluorescência da amostra contendo asfalto e azul de metileno, um formado de oxigênio singlete, em relação a amostra somente com o asfalto. Podemos então concluir que, na amostra com azul de metileno, há uma maior formação de oxigênio singlete, o que acarreta em um maior número de reações de degradação do asfalto.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Químicapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICA::QUIMICA ORGANICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Química

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Rodrigo Moreira Gomes.pdf620,74 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.