Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/6054
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorNascimento, Marco Antonio Chaer-
dc.contributor.authorMendonça, Beatriz Fonseca de-
dc.date.accessioned2019-01-07T21:59:05Z-
dc.date.available2019-01-09T02:00:48Z-
dc.date.issued2012-02-14-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/6054-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectZeólitapt_BR
dc.subjectGáliopt_BR
dc.subjectÍon galil.pt_BR
dc.subjectDihidreto de Gáliopt_BR
dc.titleEstudo teórico da redução do íon galil a dihidreto de gálio em zeólitas modificadas com gáliopt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/3314639624288740pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Pereira, Márcio Soares-
dc.description.resumoZeólitas são aluminosilicatos cristalinos amplamente utilizados como um catalisador heterogênio na indústria petroquímica. Alguns de seus usos são em processos de craqueamento catalítico e hidrotratamento. Diferentes espécies de gálio podem ser encontradas em zeólitas modificadas com gálio. A principal aplicação destas zeólitas é na conversão de alcanos leves em hidrocarbonetos aromáticos. Neste trabalho, os esforços são focados em espécies de gálio extra-rede, especialmente no íon galil e no dihidreto de gálio. Estudos prévios mostraram que as espécies de hidreto de gálio são o catalisador ativo mais provável e que a espécie oxidada não pode ser um catalisador ativo em condições redutoras, que é o caso nas reações de aromatização de alcanos leves. Além disso, na reação de aromatização do propano, uma produção inicial baixa de hidrogênio foi observada durante a etapa de ativação desse alcano, sugerindo a existência de um período de indução para essa reação. Durante esse período, o íon galil seria reduzido a dihidreto de gálio pelo hidrogênio evanescente produzido na desidrogenação do propano sobre um sítio ativo adjacente. Os cálculos foram realizados em nível DFT, usando o funcional B3LYP e a base LACVP, e aglomerados T5 e T22 como modelos da cavidade zeolítica. Três mecanismos diferentes foram estudados: um mecanismo concertado, um mecanismo em duas etapas com formação de um intermediário proposto e um mecanismo em duas etapas com formação de ZO-Ga+ e água como intermediários. Apenas o estado de transição para a segunda etapa do mecanismo em duas etapas com formação de um intermediário I foi encontrado e, portanto, a ausência de dados mecanísticos mais completos impossibilita a comparação entre os diferentes mecanismos propostos. No entanto, cálculos da variação da energia livre de Gibbs de reação para as diferentes reações envolvidas e a diferentes temperaturas permitiu concluir que a proposta de redução do galil por hidrogênio evanescente é plausível e que a redução do íon galil por hidrogênio leva, preferencialmente, a formação do intermediário I às espécies ZOGa+ e ZO-GaH2+, mas a formação do primeiro ainda é mais favorável do que a formação do segundo. Demasiada distorção do aglomerado T22 foi observada, o que leva a crer que esse modelo não é apropriado para estudo desses sistemas.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Químicapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICA::FISICO-QUIMICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Química

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Beatriz Fonseca de Mendonça.pdf564.35 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.