Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/6506
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorRibeiro, Luiz Cláudio dos Santos-
dc.contributor.authorZanvettor, Caio Monteiro Akiyama-
dc.date.accessioned2019-02-16T22:59:41Z-
dc.date.available2019-02-18T03:00:27Z-
dc.date.issued2016-07-20-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/6506-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectTabela Periódicapt_BR
dc.subjectEnsino de químicapt_BR
dc.subjectObstáculo epistemológicopt_BR
dc.titleEntraves à aprendizagem da ciência química – o docente como obstáculo epistemológicopt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5192030653483429pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5517388182546524pt_BR
dc.contributor.referee1Silva, Tiago Lima da-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3937046669738188pt_BR
dc.contributor.referee2Teixeira, Viviane Gomes-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/1229963402809254pt_BR
dc.description.resumoO presente estudo de caso foi desenvolvido pelo autor durante seu estágio supervisionado de Prática de Ensino de Química, realizado em uma escola pública na Cidade do Rio de Janeiro, durante o ano-letivo de 2014. À luz do racionalismo aplicado de Gaston Bachelard, dentro do qual originou-se o conceito de obstáculos epistemológicos, procurou-se identificá-los não apenas como todo e qualquer entrave e entorpecimento à aprendizagem científica, dela inseparáveis, mas também localizá-los, de maneira não usual, nas práticas docentes construídas em tradições pedagógicas resistentes e não reflexivas, o que permitiu considerar o próprio professor, ele mesmo, como obstáculo epistemológico. Estabelecidos na primazia do senso comum, espécie de zona de conforto resistente a mudanças, os obstáculos epistemológicos desenvolvem-se em proximidade com o mundo cotidiano e as experiências primeiras do homem, expressando o domínio do espírito conservador sobre o formativo. É, portanto, no enfrentamento entre as concepções prévias do aluno e o novo conhecimento – e não na acomodação – que se deve operar a mediação didática do conhecimento científico, ou seja, em território de tensões, desconfortos e deslocamentos de crenças arraigadas. Como delimitação do foco investigativo, foram escolhidas para este trabalho as aulas sobre Tabela Periódica, ministradas na primeira série do ensino médio. Tal escolha se justifica pelo fato de que, apesar de constituir-se em uma poderosa ferramenta, tanto no ensino quanto na pesquisa científica propriamente dita, identificou-se ali um território fértil ao surgimento de obstáculos epistemológicos, algo que se agrava por nele localizar-se um dos primeiros contatos formais que o aluno tem com a Química, servindo de base à edificação de inúmeros conceitos fundamentais dessa Ciência.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Químicapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Química

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Caio Monteiro Akiyama Zanvettor.pdf978.26 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.