Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/6818
Type: Trabalho de conclusão de graduação
Title: Petrografia e química mineral de rochas de alto grau da Serra da Cangalha e adjacências, sul do Espírito Santo
Author(s)/Inventor(s): Vieira, Gabriel Figueiredo Cellier
Advisor: Mendes, Julio Cezar
Abstract: A área do trabalho, localiza-se nas proximidades do município de Guaçuí, sul do Espírito Santo. Geologicamente se situa na zona de transição entre as faixas móveis Araçuaí e Ribeira, zona de contato entre rochas granulíticas paleoproterozoicas do Complexo Juiz de Fora e gnaisses ortoderivados paleo- a neoproterozoicos, metamorfizadas em fácies anfibolito alto a granulito. São caracterizadas quatro unidades sendo elas Ortognaisse Serra da Cangalha, Ortogranulito Juiz de Fora, paragnaisse associado do Domínio Costeiro e charnockito. O objetivo desta monografia é a caracterização petrográfica das unidades, estudo da química mineral das fases principais, somando-se a mapas composicionais e perfis em grãos e por fim estudos geotermobarométricos. O ortognaisse possuí composição variando entre granito a quarzomonzodiorito, o ortogranulito Juiz de Fora com resultados desde quartzosienito a diorito e o charnockito como granodiorito e quartzomonzodiorito. Petrograficamente a assembleia mineral é semelhante entre as unidades, apresentando como minerais essenciais o plagioclásio, comumente andesina, quartzo e ortoclásio. Os máficos essenciais são biotita, posicionada no campo da flogopita no ortognaisse e ortogranulito e no campo da annita no charnockito, anfibólios cálcicos, classificados como pargasita, mas ocorrem Mg-hornblenda e por fim piroxênios, que ocorrem como acessórios no ortognaisse. Os ortopiroxênios são de composição intermediária entre enstatita e ferrosilita, apresentando valores dos membros entre 29,29-51,14% (En), 47,99-68,66% (Fs) e 0,7-3% (Wo) e os clinopiroxênios, menos comuns, classificados como diopsídio com ocorrência de augita. Fases acessórias incluem minerais opacos (ilmenita, magnetita e Ti-magnetita), titanita, zircão, apatita e eventuais allanita e granada. Estudos geotermobarométricos indicam temperatura de 1100-1130°C e pressão 5,5-6,8 kbar de equilíbrio entre líquido e piroxênios com ocorrência de um episódio posterior provavelmente metamórfico, com temperaturas de reequilíbrio em média de 725°C. Esses resultados apontam rochas formadas a cerca de 20 km de profundidade com gradiente geotérmico em média de 55°C por km e com o reequilíbrio ocorrendo entre 15 a 18 km com gradiente geotérmico de 45°C por quilômetro.
Keywords: Faixa Ribeira
Ortognaisses
Petrografia
Química mineral
Termobarometria
Subject CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Production unit: Instituto de Geociências
Publisher: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Issue Date: Sep-2018
Publisher country: Brasil
Language: por
Right access: Acesso Aberto
Appears in Collections:Geologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CELLIER, G..pdf6,36 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.