Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/8427
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorGomes, Álvaro Lúcio de Oliveira-
dc.contributor.authorCarbonari, Cleber Antonio-
dc.date.accessioned2019-06-11T17:32:10Z-
dc.date.available2019-06-13T03:00:18Z-
dc.date.issued2007-03-
dc.identifier.citationCARBONARJ, Cleber Antonio. Estudo de Gravimetria na bacia de Sergipe-Alagoas. 2007. 110 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Geofísica do Petróleo) - Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/8427-
dc.description.abstractToe geology of the Sergipe-Alagoas Basin has the more complete Stratigraphic sequence of the Brazilian basins, with some differences that make with that the basin can be subdivided in the sub-basins Sergipe and Alagoas, separate for the features called alto de Jaboatã-Penedo. The basin is part of the Brazilian east margin, proceeding from passive margin, passing for the estages pre-rift, rift, evaporitic and pos-rift, providing with these stages the generation, migration and accumulation of oil, including the Carmópolis field that represents the greater accumulates of oil in on shore fields with a volume in place of 250 million m 3 of oil. The geologic knowledge of the Sergipe-Alagoas Basin is resulted of the application of diverse investigations methods, including the geophysical methods, such as the gravimetric methods, that it aims at an interpretation through of gravimetric anomalies for the existing differences of density in the rocks in subsurface. This method although not to be the more used geophysical method in the prospection of hydrocarbons, it is very efficient in some aspects of exploration, mainly because it can do survey of great areas with low cost and to delimit the main structural features, helping in the agreement of the evolution of the basin. We can with this method see that the Brazilian east margin is inside of the model waited for passive margins, and also to get more one explanation that the better prospection for hydrocarbons ofthe terrestrial portion of the Sergipe-Alagoas Basin.en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectBacia Sergipe-Alagoaspt_BR
dc.subjectMétodo gravimétricopt_BR
dc.subjectEspessura crustalpt_BR
dc.titleEstudo de Gravimetria na Bacia de Sergipe-Alagoaspt_BR
dc.title.alternativeGravimetric studies in Sergipe-Alagoas basinen
dc.typeTrabalho de conclusão de especializaçãopt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/8030554516350137pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Abreu, Carlos Jorge de-
dc.contributor.advisorCo2Rocha, Paula Lucia Ferrucio da-
dc.description.resumoA geologia da bacia de Sergipe-Alagoas tem a seqüência estratigráfica mais completa das bacias Brasileiras, com algumas diferenças que faz com que a bacia possa ser subdividida nas sub-bacias Sergipe e Alagoas, separadas pela feição chamada alto de Jaboatã-Penedo. A bacia faz parte da margem leste brasileira, proveniente de margem passiva, passando pelos estágios de Pré-Rifle, Rifle, Evaporítico e Pós-Rifle, proporcionando com essas etapas a geração, migração e acumulação de hidrocarbonetos, incluindo o campo de Carmópolis que representa a maior acumula de óleo em campos terrestres com um volume in place de 250 MM de m3 de óleo. O conhecimento geológico da bacia Sergipe-Alagoas é resultado da aplicação de diversos métodos investigação, incluindo os métodos geofísicos, tais como o gravimétrico, que visa uma interpretação através de anomalias de gravidade proporcionadas pelas diferenças de densidade existentes nas rochas em subsuperficie. Tal método apesar de não ser o método geofísico mais utilizado na prospecção de hidrocarbonetos, é muito eficiente em alguns aspectos exploratório, principalmente porque ele permite mapear grandes áreas à um custo baixo e ao mesmo tempo delimitar as principais feições estruturais, ajudando no entendimento da evolução da bacia. Pode-se com este método ver que a margem leste brasileira está dentro do modelo esperado para margens passivas, e também obter mais uma explicação, entre outras, a maior prospectividade para hidrocarbonetos da porção terrestre da bacia Sergipe-Alagoas.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Geociênciaspt_BR
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Geologiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOFISICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Geofísica do Petróleo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CARBONARI, C.A.pdf17.13 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.