Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/9235
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorVieira, Wilson-
dc.contributor.authorFerreira, Vitor Mendes-
dc.date.accessioned2019-08-28T15:43:47Z-
dc.date.available2019-08-30T03:00:13Z-
dc.date.issued2018-11-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/9235-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectIndústria - Brasil - 1930-2014pt_BR
dc.subjectPolíticas econômicas - Análisept_BR
dc.titleRelações históricas indústria-desenvolvimentismopt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/8556699624197113pt_BR
dc.description.resumoO trabalho faz uma análise das políticas econômicas relacionadas à indústria no Brasil entre 1930 e 2014 que possibilitaram a intensa industrialização e posteriormente a desindustrialização no país das últimas décadas, fazendo paralelo com a onda longa do desenvolvimentismo que orientou boa parte dessas políticas da primeira fase e tentou frear a segunda. Essa análise torna possível o entendimento do já mencionado processo de industrialização no modelo especificamente brasileiro, e das mudanças estruturais e ideológicas que o país passou durante a transição de um país primário-exportador para um país exportador de manufaturas de diferentes níveis tecnológicos, com maturidade no sistema produtivo. O período do antigo desenvolvimentismo, entre suas facetas democráticas e autoritárias, mostrou-se um período de grande crescimento econômico para o país e principalmente para a indústria nacional, sendo o principal responsável pelo desenvolvimento da mesma seguindo o processo de substituição de importações como em geral ocorreu na experiência latino-americana. O hiato de políticas desenvolvimentistas durante uma década demonstrou resultados fracos no que tange o crescimento econômico apesar dos resultados positivos na estabilização de indicadores macroeconômicos, mas coincidiu, não sem motivo, com o começo da desindustrialização e a também, esse de forma não proposital, com o grande boom de exportação de commodities. O período do chamado novo desenvolvimentismo tentou, de forma malsucedida, retomar o crescimento proporcionado pelo antigo desenvolvimentismo ao mesmo tempo que se preocupando em distribuir a renda, os resultados sociais em primeiro momento foram positivos apesar da relativa falha no quesito crescimento quando se analisa o período como um todo. O processo de desindustrialização não parece dar sinais de desaceleração mesmo com as políticas novo desenvolvimentistas e pode se tornar um dos grandes problemas para os formuladores de política econômica do país em um futuro próximo uma vez que o setor industrial incentiva a geração e disseminação de avanços tecnológicos e subsequentes avanços de produtividade por toda a cadeia produtiva.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Economiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Ciências Econômicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VMFerreira.pdf442.69 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.