Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/1837
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: A construção do crime como notícia: o caso do ônibus 499: o maior seqüestro da história do Brasil
Autor(es)/Inventor(es): Castro, Flávia Milhorance de
Orientador: Vaz, Paulo Roberto Gibaldi
Resumo: O caso do seqüestro do ônibus 499, no qual um homem armado colocou sua exmulher e cerca de 40 passageiros reféns por 10 horas, em 2006, serve de base para analisarmos o posicionamento da mídia brasileira na construção de notícias de crime. A partir do conceito de noticiabilidade, no qual os meios de comunicação realizam determinadas construções da realidade de acordo com interesses e pressões, refletiremos sobre as motivações tanto sociais, psicológicas e culturais para a colocação do acontecimento no patamar de notícia, assim como sobre os mecanismos de produção social empreendidos pela mídia. Como base empírica serão utilizados os principais veículos de comunicação do Estado do Rio de Janeiro, local do episódio, que têm como público-alvo a classe média, formadora de opinião.
Palavras-chave: Reportagem
Crime
Sequestro
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 3-Jul-2008
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: CASTRO, Flávia Milhorance. A construção do crime como notícia: o caso do ônibus 499: o maior seqüestro da história do Brasil. 2008. 77 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
URI: http://hdl.handle.net/11422/1837
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
FCastro.pdf543,94 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.