Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/2377
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Maio de 1968, 40 anos depois: a construção da memória em O Globo e na Folha de S. Paulo
Autor(es)/Inventor(es): Cazes, Leonardo Faria
Orientador: Ribeiro, Ana Paula Goulart
Resumo: Investiga as relações entre jornalismo a memória. Para tanto, parte-se dos pressupostos colocados por Maurice Halbwachs, de que a memória é sempre construída a partir do presente, e também aquele colocado por Michael Pollak, de que a memória está sempre em disputa por diversos grupos que interferem diretamente na sua construção. Partindo destas premissas teóricas e somando a elas os conceitos sobre os usos contemporâneos da memória tais como apresentados por Andreas Huyssen e Pierre Nora, é feita uma análise dos cadernos especiais publicados em O Globo e na Folha de S. Paulo sobre os 40 anos de Maio de 1968. Por se tratar de um momento histórico crítico do século XX, o objetivo é mostrar como a memória de 1968 é disputada e reconstruída pelos veículos.
Palavras-chave: Memoria
Jornal
O Globo (jornal)
Folha de São Paulo (jornal)
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 3-Dez-2009
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: CAZES, Leonardo Faria. Maio de 1968, 40 anos depois: a construção da memória em O Globo e na Folha de S. Paulo. 2009. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.
URI: http://hdl.handle.net/11422/2377
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
LCAZES.pdf340,58 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.