Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/896
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: A representação da morte no discurso jornalístico: sobre o poder ideológico das classes dominantes
Autor(es)/Inventor(es): Fonseca, Thiago Brigada
Orientador: Argolo, José Amaral
Resumo: Estudo da morte no discurso jornalístico junto com uma análise entre a comunicação e o poder. Procurou-se fazer um aprofundamento da representação da morte através do uso da sociologia. Para tanto, realizou-se uma história da morte e como seu conceito pode ser variado. Aprofundou-se ainda na discussão sobre a comunicação e o poder através de como a morte é vista na sociedade por meio do discurso jornalístico. A metodologia do trabalho está calcada na pesquisa bibliográfica de livros que tratam sobre a tanatologia, o discurso jornalístico e o poder. O trabalho mostra uma associação direta entre a forma que a morte é representada no discurso jornalístico e a dominação econômica e ideológica das classes dominantes da sociedade moderna ocidental.
Palavras-chave: Jornalismo
Análise do discurso
Representação
Morte
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 5-Jul-2005
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: FONSECA, Thiago Brigada. A representação da morte no discurso jornalístico: sobre o poder ideológico das classes dominantes. 2005. 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
URI: http://hdl.handle.net/11422/896
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TFONSECA.pdf387,89 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.