Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/900
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Os blogs e a crise do Mensalão: novos padrões na cobertura política
Autor(es)/Inventor(es): Franco, Bernardo Vianna de Mello
Orientador: Pires, Paulo Roberto
Resumo: Aborda a participação dos blogs na cobertura da crise do mensalão e analisa as mudanças que essa ferramenta da internet provocou no noticiário político. Explica os princípios da tecnologia e relata estudos que descrevem os blogs como base do jornalismo cidadão, em que "todo mundo é um repórter"e a notícia toma a forma de conversa entre o jornalista e o público. Com base na experiência internacional em crises como a invasão do Iraque, os atentados no metrô de Londres e os estragos do furacão Katrina, deverá verificar se os padrões do jornalismo-cidadão foram aplicados à cobertura do escândalo brasileiro. O trabalho analisa os blogs de Ricardo Noblat (iG/Estado de S.Paulo), Jorge Bastos Moreno (Globo Online) e Josias de Souza (Folha Online), além de diários virtuais independentes e de políticos profissionais.
Palavras-chave: Jornalismo online
Blogs
Noticiário político
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO::JORNALISMO E EDITORACAO
Departamento: Escola de Comunicação
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 22-Nov-2005
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Citação: MELLO FRANCO, Bernardo Vianna de. Os blogs e a crise do Mensalão: novos padrões na cobertura política. 2005. 56 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação - Habilitação em Jornalismo) - Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
URI: http://hdl.handle.net/11422/900
Aparece nas coleções:Comunicação - Jornalismo

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
BFRANCO.pdf589,16 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.