Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/10067
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorLeite, Lígia Silva-
dc.contributor.authorSousa, Franciane Santos de-
dc.date.accessioned2019-10-14T22:19:31Z-
dc.date.available2019-10-16T03:00:07Z-
dc.date.issued2019-02-11-
dc.identifier.citationSOUSA, Franciane S. de. Avaliação do projeto de extensão CLAC (Cursos de Línguas Abertos à Comunidade/Faculdade de Letras/UFRJ) como uma ação para a formação docente. 2019. 218 f. Dissertação (Mestrado em Avaliação), Faculdade Cesgranrio, Rio de Janeiro, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/10067-
dc.description.abstractThis study aimed at evaluating the role of the Project called “Language Courses Open to community” (CLAC), an extension activity of the Faculty of Language and Literature of the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ), as an action of teachers’ initial and continued training for the teaching of languages. Our objective was to evaluate the project’s contribution at the point of view of the courses’ ex-monitors (students and ex-students from the Language and Literature undergraduate course at UFRJ) and their supervisors (teachers from the Faculty of Language and Literature). For attaining our objective, we used an objective-oriented evaluative approach aiming at establishing a relationship between the data obtained by the study and the objectives of the CLAC project, aiming to find out how much the project contributed or continues contributing to the teachers’ training of the ones interviewed. Data collection was carried by use of a bibliographical and documentary research, an interview, a focus group, a field observation and questionnaires. Such questionnaires, whose design was based on the set of categories and indicators of this evaluation, were specifically used to fulfill the objective of the present study and to answer its evaluation questions. The interviewees were divided into three groups, namely: group 1, composed of language monitors who graduated from 2012 to 2017; group 2, made of teachers from the Faculty of Language and Literature of UFRJ who were previously CLAC language monitors; and group 3, formed from CLAC supervisors. For the quantitative data, we used a statistical and descriptive analysis and for the qualitative analysis of the answers given to the open questions we conducted a content analysis. The results fulfilled the purpose of the study and answered its evaluation questions, so that CLAC stood out as a very important project of teachers’ training for graduates from the Faculty of Language and Literature of UFRJ, mainly because it made it possible for those graduates to act as teachers and to do that with academic supervision. Although its contributions were generally very well evaluated, the project presented some weak aspects: the accessibility issue has not been addressed in a satisfactory way; and the uneven treatment given to the stages of research development which devotes more attention to its theoretical part but does not deal with the publication of studies with the same dedication.en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherFundação Cesgranriopt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAvaliaçãopt_BR
dc.subjectExtensão universitáriapt_BR
dc.subjectFormação de professorespt_BR
dc.subjectMonitores (Formação profissional)pt_BR
dc.subjectEvaluationen
dc.subjectUniversity Extensionen
dc.subjectTeacher trainingen
dc.subjectMonitors (Vocational Training)en
dc.titleAvaliação do projeto de extensão CLAC (Cursos de Línguas Abertos à Comunidade/Faculdade de Letras/UFRJ) como uma ação para a formação docentept_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7255232148754522pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/3873060221552633pt_BR
dc.contributor.referee1Orlando Filho, Ovidio-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3060612372199508pt_BR
dc.contributor.referee2Ferreira, Mergenfel Andromergena Vaz-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/6277312293965310pt_BR
dc.description.resumoEste estudo objetivou avaliar o papel do Projeto Cursos de Línguas Abertos à Comunidade (CLAC), atividade de extensão da Faculdade de Letras da UFRJ, como uma ação de formação docente inicial e continuada para o ensino de línguas, a fim de medir suas contribuições na perspectiva de seus monitores de línguas egressos (alunos e ex-alunos do Curso de Letras da UFRJ) e de seus orientadores (professores da Faculdade de Letras). Para tanto, foi adotada a abordagem avaliativa centrada em objetivos, com o propósito de estabelecer uma relação entre os dados obtidos pelo estudo e os objetivos do CLAC, buscando verificar em que medida o projeto contribuiu ou segue contribuindo para a formação docente dos respondentes. A coleta de dados foi realizada mediante o emprego de investigação bibliográfica e documental, entrevista, grupo focal, observação de campo e questionários. Tais questionários, elaborados com base nos quadros de categorias e indicadores desta avaliação, foram usados, especificamente, para cumprir o objetivo do presente estudo e para responder às suas questões avaliativas. Os respondentes, divididos em três grupos, foram: grupo 1, composto por monitores de línguas egressos de 2012 a 2017; o grupo 2, formado por docentes da Faculdade de Letras da UFRJ que atuaram como monitores de línguas CLAC; e o grupo 3, integrado pelos orientadores CLAC. A análise dos dados quantitativos utilizada foi estatística e descritiva e a análise qualitativa das respostas dadas às perguntas abertas seguiu as etapas da análise de conteúdo. Os resultados atenderam ao objetivo do estudo e responderam às suas questões avaliativas, ressaltando o CLAC como um projeto de formação docente de grande relevância para os graduandos da Faculdade de Letras da UFRJ, sobretudo pelo fato de oportunizar que esses graduandos atuem como docentes e o façam com orientação acadêmica. Apesar de suas contribuições terem sido, em geral, muito bem avaliadas, o projeto apresentou pontos frágeis: a abordagem não satisfatória do tema acessibilidade; e o tratamento desigual dado às etapas de desenvolvimento da pesquisa, o qual dedica maior atenção à sua parte teórica, não tratando com o mesmo cuidado a publicação dos trabalhos.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentPrograma de Pós-Graduaçãopt_BR
dc.publisher.programMestrado Profissional em Avaliaçãopt_BR
dc.publisher.initialsCESGRANRIOpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::EDUCACAO::PLANEJAMENTO E AVALIACAO EDUCACIONAL::AVALIACAO DE SISTEMAS, INSTITUICOES, PLANOS E PROGRAMAS EDUCACIONAISpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
dc.relation.referencesBABBIE, Earl. Métodos de pesquisa survey. Belo Horizonte: UFMG, 2003. BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1988. BERENGER; Mercêdes Moreira; ELLIOT, Ligia Gomes; PARREIRA, Artur. Grupo focal. In: ELLIOT, Ligia Gomes (Org.). Instrumentos de avaliação e pesquisa: caminhos para construção e validação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. BOGDAN, Robert Charles; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 2016. BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lei9394_ldbn1.pdf>. Acesso em: 24 set. 2018. BRASIL. Lei nº 13.415 de 15 de fevereiro de 2017. Altera as leis nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e nº 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e o Decreto-Lei nº 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei n 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Congresso Nacional, 2017. BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC: ensino fundamental. Brasília, DF: MEC, 2018. BRASIL. Plano Nacional de Educação. Brasília, DF: Senado Federal; UNESCO, 2001. CELANI, Maria Antonieta. Ensino de línguas estrangeiras: ocupação ou profissão. In: LEFFA, V. J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas: EDUCAT, 2008. p. 23-41. COLTON, David; COVERT, Robert W. Designing and constructing instruments for social research and evaluation. San Francisco: Jossey- Bass, 2007. DE PAULA, João Antônio. A extensão universitária: história, conceito e propostas. Interfaces: Revista de Extensão, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 5-23, jul./nov. 2013. EARP, Maria de Lourdes Sá. Observação. In: ELLIOT, Ligia Gomes (Org.). Instrumentos de avaliação e pesquisa: caminhos para construção e validação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. ELLIOT, L. G. Meta-avaliação: das abordagens às possibilidades de aplicação. Ensaio: aval. pol. públ. Educ. Rio de Janeiro, v. 19, n. 73, p. 941-963, out./dez. 2011. ELLIOT, Ligia Gomes; HILDENBRAND, Lucí, BERENGER; Mercêdes Moreira. Questionário. In: ELLIOT, Ligia Gomes (Org.). Instrumentos de avaliação e pesquisa: caminhos para construção e validação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. FONSECA, João José Saraiva. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002. FORPROEX. Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Plano Nacional de Extensão Universitária. Ilhéus: Editus, 2001. (Coleção Extensão Universitária; v. 1). FORPROEX . Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre: Gráfica da UFRGS, 2012. (Coleção Extensão Universitária; v. 7). FREITAS, Luiz Carlos de et al. Avaliação educacional: caminhando pela contramão. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. (Coleção Fronteiras Educacionais). GERHARDT, Tatiana E.; SILVEIRA, Denise T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008. GONDIM, Sônia Maria Guedes. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, São Paulo, v. 12, n. 24, p. 149-161, 2003. Disponível em: <http://sites.ffclrp.usp.br/paideia/artigos/24/03.doc>. Acesso em: 8 nov. 2018. JAÑA, Veronica Assis. A extensão universitária e o ensino de línguas: um estudo do caso. 2005. 81 f. Dissertação (Mestrado no Curso Interdisciplinar em Linguística Aplicada)-Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005. LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. LEITE, Ligia S. Lista de verificação. In: ELLIOT, Ligia Gomes (Org.). Instrumentos de avaliação e pesquisa: caminhos para construção e validação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. LIBERALLI, Fernanda Coelho; ZYNGIER, Sonia. Cadernos de reflexões para os orientadores e monitores do CLAC. Rio de Janeiro: Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão, Setor Cultural, 2000. MAGALHÃES, Anderson Salvaterra. Compartilhando e aprendendo: uma perspectiva dialógica do planejamento de aula de professoras em formação. In: LEFFA, V. J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas: EDUCAT, p. 145-164, 2008. MAZZA, Verônica de Azevedo; MELO, Norma Suely Falcão de Oliveira; CHIESA, Anna Maria. O grupo focal como técnica de coleta de dados na pesquisa qualitativa: relato de experiência. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 14, n. I, p. 183-188, 2009. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/14486>. Acesso em: 7 novembro 2018. MENDES, Antonio Marques. A globalização. [São Paulo]: Causa Liberal, 2001. Disponível em: <www.causaliberal.net/documentosAMM/globalizacao.htm>. Acesso em: 22 maio 2018. MINAYO, Maria Cecília de Souza; SANCHES, Odécio. Quantitativo-Qualitativo: oposição ou complementaridade?. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 239-262, jul./set.,1993. MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999. Disponível em: <http://cliente.argo.com.br/~mgos/analise_de_conteudo_moraes.html>. Acesso em: 15 jan. 2019. NICOLAIDES, Christine et al. (Org.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. SILVA, Angela Carrancho da. Entrevista. In: ELLIOT, Ligia Gomes (Org.). Instrumentos de avaliação e pesquisa: caminhos para construção e validação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012. SOUZA, Anderson Barboza de. Globalização: algumas reflexões. Educação Pública: Textos. Rio de Janeiro. n. 14, set. 2000. STAKE, Robert. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras. Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão. Edital nº 859 de 1 de Janeiro de 2018. Inscrição, seleção e matrícula nos cursos de línguas do Cursos de Línguas Abertos à Comunidade. Rio de Janeiro, 2018a. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras. Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão. Edital para processo seletivo visando ao ingresso, em 2018.2, de novos monitores de línguas no projeto de extensão Cursos de Línguas Abertos à Comunidade. Rio de Janeiro, 2018b. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras. Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão. Cursos de Línguas Abertos à Comunidade. Edital nº 1035 de 1 de Janeiro de 2019. Inscrição, seleção e matrícula nos cursos de línguas do Cursos de Línguas Abertos à Comunidade. Rio de Janeiro, 2019. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Faculdade de Letras. Diretoria Adjunta de Cultura e Extensão. Portal. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <http://www.portal.letras.ufrj.br/>. Acesso em: 26 jan. 2019. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Manual CLAC: publicação com informações conceituais e normativas sobre o CLAC. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2017. UFRJ. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Resolução CEG nº 2, de 13 junho de 2013. Regulamenta o registro e a inclusão das atividades de extensão nos currículos dos cursos de graduação da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013. VELHO, Gilberto. Observando o familiar. In: NUNES, Edson de Oliveira (Org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978. WEININGER, Markus Johannes. Do aquário em direção ao mar aberto: mudanças no papel do professor e do aluno. In: LEFFA, V. J. (Org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed. Pelotas: EDUCAT, 2008. WORTHEN, Blaine R.; SANDERS, James R.; FITZPATRICK, Jody L. Avaliação de programas: concepções e práticas. São Paulo: Ed. Gente, 2004. ZYNGIER, Sonia. Reflexão e autonomia: projeto CLAC. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009.pt_BR
Appears in Collections:Teses e Dissertações não defendidas na UFRJ

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Franciane Santos-min.pdf1.31 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.