Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/14122
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorLavrado, Helena Passeri-
dc.contributor.authorSchoene, Gabrielle Fontes-
dc.date.accessioned2021-04-08T15:09:10Z-
dc.date.available2021-04-10T03:00:08Z-
dc.date.issued2019-01-
dc.identifier.citationSCHOENE, Gabrielle Fontes. Distribuição espacial da megafauna bentônica costeirada Baía do Almirantado, Ilha Rei George, Antártica: estabelecimento de uma linha de base para programas ecológicos de longa duração. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Biológicas – Biologia Marinha) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/14122-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectFauna bentônicapt_BR
dc.subjectBaía do Almirantadopt_BR
dc.subjectRegiões Antárticaspt_BR
dc.subjectFundo oceânicopt_BR
dc.subjectBenthic faunaen
dc.subjectAdmiralty Bayen
dc.subjectAntarctic Regionsen
dc.subjectSeabeden
dc.titleDistribuição espacial da megafauna bentônica costeirada Baía do Almirantado, Ilha Rei George, Antártica: estabelecimento de uma linha de base para programas ecológicos de longa duraçãopt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7339673397777336pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Dalto, Adriana Galindo-
dc.description.resumoA Baía do Almirantado é uma Área Antártica Especialmente Gerenciada (AAEG), localizada na Ilha Rei George (Península Antártica), sendo a maior ilha do Arquipélago das Shetland do Sul. A variação sazonal entre o verão e o inverno implica em uma série de alterações locais, principalmente pela extensão do gelo marinho. Isto afeta, em especial, as comunidades bentônicas marinhas, principalmente nas zonas costeiras rasas. Visto o crescimento lento e a limitação da mobilidade desses organismos, sua diversidade e estruturação representam excelentes indicadores de mudanças ambientais. A megafauna bentônica local é composta por uma diversidade de animais vágeis, como poliquetas, crustáceos e equinodermos; e sésseis, como esponjas, briozoários, ascídias e cnidários dispostos de forma variável. O presente estudo teve como objetivo caracterizar a estrutura das comunidades bentônicas da zona costeira rasa, comparando abundância relativa, densidade, riqueza, diversidade e composição específica em duas enseadas da baía. Verificou-se ainda as relações entre as variáveis ambientais do sedimento e a diversidade encontrada em cada área. A megafauna bentônica foi obtida através de arrastos de fundo, com o uso de draga do tipo ‘Agassiz’. Os arrastos foram realizados entre os meses janeiro e fevereiro de 2011, durante a Operação Antártica Brasileira XXIX, na faixa batimétrica entre 20 e 30 m de profundidade de quatro estações de amostragem, três localizadas na Enseada Martel (Comandante Ferraz, Punta Ullmann, Botany Point) e uma na Enseada Mackellar (Refúgio II). A análise das amostras resultou na identificação de 7.592 indivíduos pertencentes a 14 grandes grupos taxonômicos, dos quais Crustacea, Mollusca, Ascidiacea, Polychaeta e Echinodermata foram os mais abundantes. Dentre os 76 táxons encontrados, 37 foram identificados em espécie e os demais em níveis taxonômicos superiores. Ascidiacea e Echinodermata apresentaram diferenças significativas na abundância entre as estações de estudo. Todas as estações apresentam assembleias de organismos que diferem significativamente entre si (nMDS, p=0,001). Botany Point, onde Ophionotus victoriae e Molgula pedunculata predominaram, foi a estação que apresentou maior riqueza de táxons e também maiores diferenças (PERMANOVA) em relação às demais, tanto para as estações da mesma enseada quanto para Refúgio II, que está localizada em outra enseada. No entanto, em Punta Ullmann, foram observados as maiores quantidades de macroalgas (12,9 kg) e o maior índice de diversidade média (H’=2,41). Comandante Ferraz e Refúgio II foram as estações que apresentaram maior similaridade entre elas e as maiores densidades médias para o isópode Paraserolis sp. e para o bivalve Aequiyoldia eightsii. A maior dissimilaridade média (SIMPER) foi registrada entre Punta Ullmann e Botany Point (84,85 %) com maiores contribuições do ofiúro Ophionotus victoriae e da ascídia Molgula pedunculata na segunda estação. O poliqueta Barrukia cristata, o bilvalve Aequiyoldia eightsii e o isópode Glyptonotus antarcticus foram as espécies com maior frequência de ocorrência na região. A granulometria, o carbono orgânico total e razão C/N foram as variáveis ambientais que melhor caracterizaram as diferenças entre a distribuição espacial dos organismos nas estações de estudo. Os resultados obtidos indicaram que a heterogeneidade espacial observada em pequena escala reforça a necessidade de monitoramento da Baía do Almirantado, com intuito de compreender a dinâmica ambiental local e os efeitos sobre biota marinha em longo prazo, sendo importante para distinguir os impactos naturais de antropogênicos.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Biologiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS::ECOLOGIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Ciências Biológicas - Biologia Marinha

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
GFSchoene.pdf622.98 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.