Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/15256
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCallou, Dinah Maria Isensee-
dc.contributor.authorSilva, Lucas Benamor Martins da-
dc.date.accessioned2021-09-21T19:35:08Z-
dc.date.available2021-09-23T03:00:13Z-
dc.date.issued2021-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/15256-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSociolinguísticapt_BR
dc.subjectVariação linguísticapt_BR
dc.subjectFonologiapt_BR
dc.subjectSanta Catarinapt_BR
dc.titleManezinhos vs Catarinenses: um estudo comparativo do apagamento do rótico entre interior e capital de Santa Catarina (Projeto ALib)pt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/9305518977446202pt_BR
dc.contributor.authorLatteshttp://lattes.cnpq.br/5564520014268763pt_BR
dc.contributor.advisorCo1Serra, Carolina Ribeiro-
dc.contributor.advisorCo1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5878437077874490pt_BR
dc.description.resumoEste trabalho faz uma comparação do comportamento do rótico em coda silábica final – tanto em verbos quanto em não-verbos – nas cidades de Florianópolis (capital de Santa Catarina), Blumenau (a 147 km da capital) e Itajaí (a 97 km da capital). O objetivo principal é descobrir se o comportamento diferenciado do segmento em Florianópolis em relação a Curitiba e a Porto Alegre, no que se refere às variantes predominantes do rótico e ao avanço do apagamento em coda final, se estende às cidades interioranas de Santa Catarina. Para esse fim, foi realizada a transcrição de amostras de fala do projeto ALiB, as quais são estratificadas por localidade – Florianópolis (8 amostras), Blumenau (4 amostras) e Itajaí (4 amostras) – sexo (masculino e feminino), idade (18 a 30 anos e 50 a 65 anos) e escolaridade (ensino fundamental completo ou incompleto). Foi adotado o aporte teórico-metodológico da Sociolinguística Quantitativa (LABOV, 1994) e da Teoria da Fonologia Prosódica (NESPOR & VOGEL, 2007), a fim de identificar os fatores intra e extralinguísticos atuantes no processo de diferenciação e cancelamento do R. A análise estatística dos dados foi realizada através do pacote de programas GoldVarb X (SANKOFF, TAGLIAMONTE, SMITH, 2005). Nossa hipótese inicial é de que o comportamento diferenciado de Florianópolis não se estenda ao interior catarinense, devido ao relativo isolamento geográfico da capital e aos diferentes processos de povoamento da capital em relação às cidades interioranas (PAGOTTO, 2001). Entretanto, ela é refutada pelos resultados, segundo os quais o apagamento se encontra bastante avançado nas três cidades analisadas, inclusive mais avançado nas cidades de Blumenau (input verbos: 0.98; input não-verbos: 0.69) e de Itajaí (input verbos: 0.99; input não-verbos: 0.52) do que na capital (input verbos: 0.98; input não-verbos: 0.38). Apesar disso, foram percebidas algumas diferenças quanto às variantes de pronúncia: em Florianópolis, o tepe prevalece na classe dos verbos, já nas outras cidades, as fricativas são mais frequentes; já nos não-verbos, enquanto, em Blumenau, predomina o tepe, em Florianópolis, são mais frequentes as fricativas, assim como em Itajaí. Quanto aos fatores sociais atuantes no processo, em Blumenau, os homens são mais propensos ao apagamento do que as mulheres e, em Itajaí, são os mais jovens em relação aos mais velhos, ao passo que, em Florianópolis, o oposto ocorre.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Letraspt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LINGUISTICApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Letras - Inglês

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LMBSilva.pdf460.31 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.