Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/2690
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorAraújo, André Vieira de Freitas-
dc.contributor.authorBertão, Danielle Mello-
dc.date.accessioned2017-08-16T17:21:48Z-
dc.date.available2017-08-18T03:00:18Z-
dc.date.issued2016-07-29-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/2690-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectMúsicapt_BR
dc.subjectPartituraspt_BR
dc.subjectObras raraspt_BR
dc.titleA raridade na Música: possibilidades para sua atribuição em partituras musicais impressaspt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/7551780669212379pt_BR
dc.contributor.referee1Costa, Robson Santos-
dc.contributor.referee2Ballesté, Adriana Olinto-
dc.description.resumoAssim como o ser humano desenvolveu a escrita para registrar sua linguagem oral, a sociedade ocidental concebeu a partitura musical para registrar os parâmetros sonoros de seus instrumentos e de seu canto. Com o desenvolvimento das tecnologias da imprensa, assim como ocorreu com as palavras impressas, as partituras se multiplicaram e se tornaram inumeráveis. No meio de tanta informação, é preciso identificar aquelas de caráter especial. Mas para que essa identificação seja possível, é necessário entender o estatuto documental da música impressa. Somente percebendo a essência deste tipo de documento pode-se questionar a possibilidade de tratá-lo como passível de raridade. Sendo assim, o objetivo desse trabalho é verificar a possibilidade de atribuir o conceito de raridade em partituras musicais impressas. Para tal, a pesquisa analisa o que se discute sobre o estatuto documental da música impressa; identifica possíveis critérios para a atribuição da raridade neste tipo de documento, através dos conceitos encontrados na Biblioteconomia de Livros Raros; aponta, concisamente, quais são os aspectos extrínsecos e intrínsecos dos documentos musicais impressos, através da história da música e da imprensa musical; e observa a maneira que as bibliotecas nacionais entendem a documentação musical presente em suas coleções. A metodologia utilizada para essa pesquisa foi, em primeiro momento, a revisão da literatura, seguido da criação de um questionário que foi aplicado em algumas bibliotecas nacionais, contendo perguntas fechadas e abertas. Após o período de recebimento das respostas das bibliotecas foi analisado o seu conteúdo. Foi constatado que, apesar da pouca bibliografia disponível sobre música como documento, nas bibliotecas nacionais entrevistadas é comum tratar a música impressa como obra rara, utilizando os mesmos valores atribuídos aos livros. Para elas, existem aquelas obras musicais impressas que se destacam das demais e necessitam ganhar o atributo raro para que sejam cuidadas de maneira única, e assim preservadas para a memória mundial.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Administração e Ciências Contábeispt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::CIENCIA DA INFORMACAO::BIBLIOTECONOMIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Aparece nas coleções:Biblioteconomia e Gestão de Unidades de Informação

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DMBertao.pdf3,42 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.