Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4679
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Desconcentração regional do setor de serviços na economia brasileira: uma análise do período 2003-2014
Autor(es)/Inventor(es): Moraes, Pilar Picon
Orientador: Saboia, Joao Luiz Maurity
Resumo: Nas últimas décadas o setor de serviços vem ganhando destaque na economia, reduzindo assim a parcela relativa da indústria. Atualmente, o setor terciário é responsável pela maior parte do PIB brasileiro. Dessa forma, é fundamental entender as transformações sofridas pelo setor de serviços nas últimas décadas, que modificaram tanto sua distribuição geográfica quanto sua distribuição entre as atividades do setor. Utilizando a RAIS e as variáveis emprego, número de estabelecimentos, massa salarial e salário médio se busca identificar a dinâmica dos serviços no período entre 2003 e 2014. Por ser um setor fundamental para a economia do país é importante compreender sua relação com o setor industrial. Este estudo analisa a relação entre os dois setores investigando a contribuição dos serviços para a produção industrial e comparando a interação entre seus processos de desconcentração regional. Entre os principais resultados encontrados pode ser mencionada a similaridade de movimentos na desconcentração regional da indústria e dos serviços no período analisado.
Palavras-chave: Serviços
Economia brasileira
Produção industrial
Setor terciário
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA INDUSTRIAL
Departamento: Instituto de Economia
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 2017
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4679
Aparece nas coleções:Ciências Econômicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PPMoraes.pdf2,56 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.