Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/4681
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorMusumeci, Leonarda-
dc.contributor.authorFrança, Ana Beatriz Machado de-
dc.date.accessioned2018-08-27T19:21:49Z-
dc.date.available2018-08-29T03:00:19Z-
dc.date.issued2018-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/4681-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectSistema carceráriopt_BR
dc.subjectRio de Janeiro (Estado)pt_BR
dc.titleO custo do preso provisório para o estado do Rio de Janeiropt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/6579538305394304pt_BR
dc.description.resumoDesde o início de 2017, com as rebeliões e chacinas nos presídios no norte e nordeste do país, o sistema carcerário tem sido manchete de muitos noticiários com relatos de superlotação, péssimas condições de infraestrutura, maus tratos, entre outros. Apesar disso, sabe-se pouquíssimo sobre esse sistema, que cresce rapidamente e abocanha cada vez mais uma parcela maior da população jovem, negra e de baixa escolaridade do Brasil. No Estado do Rio de Janeiro, como no resto do país, existe ainda outro agravante: 40% dos presos ainda não foram julgados e aguardam durante meses e até mesmo anos a sentença final do juiz. Depois de longos períodos presos, a maior parte recebe pena mais branda que o regime fechado, e cerca de 10% são absolvidos de suas acusações. Isso caracteriza a prisão provisória como indevida e ratifica o poder punitivista do Estado, que usa a prisão como regra e não como exceção, como deveria ser de acordo com o princípio da presunção de inocência presente na Constituição brasileira. Neste trabalho, avaliou-se o uso abusivo da prisão provisória do ponto de vista dos custos milionários que gera para o Estado, consequentemente para o contribuinte, e também dos custos não mensuráveis para o indivíduo acusado, que é exposto às péssimas condições das prisões, à convivência com o crime organizado e ainda enfrenta preconceito e dificuldade de reinserção quando sai da cadeia.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Economiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA REGIONAL E URBANApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Ciências Econômicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ABMFranca.pdf834,28 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.