Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/4846
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Velocidades elásticas de evaporitos da Bacia Sergipe-Alagoas
Autor(es)/Inventor(es): Corrêa, Simone Nabuco
Orientador: Soares, José Agnelo
Resumo: As rochas evaporíticas são formadas em ambientes de sedimentação de baixo aporte de terrígenos, submetidos a clima seco onde as taxas de evaporação das águas são elevadas, permitindo a formação de salmoura a partir da qual minerais evaporíticos se formam. São encontradas em muitas regiões do mundo e são um importante elemento constituinte das bacias sedimentares costeiras por sua freqüente associação com petróleo, como é o caso da Bacia de Sergipe-Alagoas. No entanto, suas propriedades mecânicas são pouco conhecidas, sabendo-se, contudo, que possuem algumas propriedades bem peculiares, como altas velocidades de propagação de ondas elásticas e, alguns evaporitos, capacidade de agirem como grandes atenuadores de energia. O presente trabalho mostra: (a) estudo de medidas uniaxiais de velocidades de onda P e S em quatro testemunhos de halita e quatro de silvinita; (b) a realização de tomografia elástica para onda P em três testemunhos de halita e três testemunhos de carnalita e; (c) uma medida uniaxial de velocidade de onda P em câmara de pressão hidrostática para um testemunho de carnalita. Todos os litotipos utilizados foram provenientes da Bacia Sergipe-Alagoas. Os testemunhos de halita e silvinita submetidos à medição de velocidade uniaxial apresentaram o seguinte resultado: velocidade de onda P variando entre 4316 m/s e 4409 m/s e velocidade de onda S variando entre 2564 m/s e 2774 m/s para o litotipo halita; velocidade de onda P variando entre 3484 m/s e 4005 m/s e velocidade de onda S variando entre 2183 m/s e 2609 m/s para o litotipo silvinita. As tomografias elásticas realizadas apresentaram velocidades de onda P mais altas para a halita e mais baixas para carnalita, coerentes com resultados de ensaios uniaxiais apresentados na literatura, embora os tomogramas apresentem a capacidade adicional de mapear as variações internas de velocidade em um plano perpendicular ao eixo do testemunho e não apenas um valor médio de velocidade, como acontece com os resultados dos ensaios uniaxiais. A tomografia elástica permitiu ainda a identificação de feições lineares internas em testemunhos de halita e de carnalita, interpretadas como possíveis planos suturados de fratura, o que não foi possível de identificar através da tradicional técnica de tomografia de raios-x. Amostras de taquidrita apresentaram uma razão sinal/ruído muito desfavorável à realização de tomografias elásticas, indicando um elevado coeficiente de atenuação da onda elástica. Portanto, a medição da velocidade elástica da taquidrita somente pôde ser realizada em câmara de pressão hidrostática, sob pressão de 500 psi, apresentando velocidade de onda P igual a 3200 m/s.
Palavras-chave: Velocidade da onda P.
Velocidade de onda S.
Tomografia Ultra-sônica
Evaporitos
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Mai-2006
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/4846
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CORREA, S.N.pdf1,27 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.