Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5277
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Investigação Sismoestratigráfica na Lagoa Durão - Sistema de Lagos do Baixo Curso do Rio Doce, Linhares (ES)
Autor(es)/Inventor(es): Santos, Fernanda Franco Ventura
Orientador: Mello, Claudio Limeira
Resumo: Na região da planície costeira do rio Doce, próximo à cidade de Linhares (ES), ocorre um sistema de lagos barrados, que podem ser divididos em dois subconjuntos principais: os lagos internos, presentes na margem esquerda do rio Doce, encaixados nos tabuleiros da Formação Barreiras, próximos ao contato com o embasamento cristalino pré-cambriano; e os lagos externos, que se desenvolveram no limite entre os tabuleiros da Formação Barreiras e a planície costeira quaternária. Neste último conjunto, destaca-se a lagoa Durão, um dos seus maiores corpos lacustres. Acerca da origem e evolução desses lagos, têm sido considerados os agentes responsáveis pela sua formação as variações quaternárias do nível do mar e/ou mecanismos neotectônicos. Este trabalho tem por objetivo a caracterização sismoestratigráfica da lagoa Durão, como base preliminar para o estudo evolutivo do conjunto de lagos externos do baixo vale do rio Doce. A metodologia adotada neste estudo envolveu: i) a aquisição e interpretação de perfis sísmicos de alta resolução; e ii) a descrição dos depósitos em subsuperfície a partir de cinco sondagens a percussão. Como subproduto do levantamento sísmico foi gerado um mapa batimétrico que mostrou profundidades médias em torno de 4 m. Foram reconhecidas três sismofácies (Sp, Sb e St), quatro superfícies estratigráficas (S1, S2, S3, S4 ) e três sismossequências (A, B, C). A sismossequência A é limitada no topo por um refletor de média amplitude com geometria convexa para cima, sendo observada apenas na desembocadura do lago; a sismossequência B é delimitada no topo por um refletor de alta amplitude, contínuo ao longo da extensão do lago, cujo sinal sísmico é frequentemente obliterado pela presença de um padrão associado a gás; a sismossequência C é representada por um intervalo transparente contínuo ao longo do lago, limitado na base pela superfície da alta amplitude que limita o topo da sismossequência A. A sismossequência C é atribuída à fase lacustre implantada a partir da barragem do lago; a sismossequência B, na maior parte do lago, é relacionada a uma sedimentação aluvial; a sismossequência A é associada aos cordões arenosos que ocorrem na planície costeira adjacente à desembocadura dos lagos.
Palavras-chave: Quaternário
Sistema de Lagos do Rio Doce (ES)
Sismoestratigrafia
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Mai-2009
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5277
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SANTOS, F.F.V.pdf22,89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.