Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5302
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Mapeamento Geológico e Petrografia dos Corpos Plutônicos Félsicos Próximos a cidade de Macuco de Minas, Minas Gerais
Autor(es)/Inventor(es): Ritins, Janis Ivars Valença
Orientador: Ávila, Ciro Alexandre
Resumo: A região próxima a cidade de Macuco de Minas está situada borda meridional do cráton do São Francisco e encontra-se inserida no contexto evolutivo do Cinturão Mineiro, que corresponde a um arco magmático paleoproterozoico. A evolução geológica dessa área é extremamente complexa pois afloram dois corpos plutônicos distintos, que foram denominados de metagranitoides Represa de Camargos e Macuco de Minas, sendo que o primeiro é intrusivo em rochas metaultramáficas e anfibolíticas da sequência metavulcanosedimentar Nazareno e apresenta diversos xenólitos de clorita xistos e anfibolitos enquanto o segundo intrude rochas metamáficas da sequência metavulcano-sedimentar Rio das Mortes e possui xenólitos de anfibolitos e gnaisses. A sequência metavulcano-sedimentar Nazareno aflora na porção leste da área mapeada e é composta principalmente por rochas metaultramáficas de filiação komatiitica, representadas por clorita xistos muito alterados intempericamente, enquanto rochas anfibolíticas, quartzitos e gonditos são mais raros. De forma contrastante a sequência metavulcano-sedimentar Rio das Mortes aflora na porção noroeste da área estudada e é representada por anfibolitos e rochas metamáficas fortemente alteradas. O metagranitoide Represa de Camargos está exposto nas cercanias da cidade de Macuco de Minas, apresenta textura isotrópica e é representado por litótipos hololeucocráticos a leucocráticos, de granulação média a grossa, equigranulares, localmente com fenocristais de até 2 cm de feldspato. Sua mineralogia em microscopia ótica é representada por quartzo, oligoclásio, microclínio, biotita, clorita, epidoto, titanita, enquanto monazita, apatita e silicato de Thório foram somente identificados por catodoluminescência e MEV-EDS. Esse corpo apresenta feições de interação em diversos afloramentos com um metagranitoide leucocrático, fino e equigranular e seu contato com o metagranitoide Macuco de Minas foi interpretado como relacionado ao prolongamento da zona de cisalhamento do Lenheiro. O metagranitoide Macuco de Minas aflora à norte da cidade de Macuco de Minas e é representado por rochas leucocráticas, inequigranulares e porfiríticas com fenocristais de microclínio, que variam de 5 a 80 milímetros, os quais estão imersos em uma matriz fina a média composta por quartzo, microclínio, plagioclásio e biotita. Sua mineralogia em microscopia ótica é representada por quartzo, albita, microclínio, biotita, epidoto, enquanto apatita e monazita foram identificados por catodoluminescência e MEV-EDS. As diferenças em campo, petrográficas e mineralógicas entre os metagranitoides Represa de Camargos e Macuco de Minas é corroborada pelas idade distintas entre ambos apresentada por Barbosa et al. (2015), onde o primeiro apresenta idade de cristalização de 2172 ± 32 Ma, enquanto o segundo de 2125 ± 21 Ma.
Palavras-chave: Cartografia geológica
Petrografia
Catodoluminescência
Microscopia eletrônica de varredura
Metagranitoide Represa de Camargos
Metagranitoide Macuco de Minas
Cinturão Mineiro
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Fev-2017
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5302
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RITINS, J.I.V.pdf17,15 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.