Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5356
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Aplicação da modelagem matemática na simulação do recuo diferencial da escarpa da Serra da Mantiqueira, na borda norte da bacia de Resende
Autor(es)/Inventor(es): Souza, Luma Botelho de
Orientador: Mello, Claudio Limeira
Coorientador: Fernandes, Nelson Ferreira
Coorientador: Carbono, Alonso Joaquim Juvinao
Resumo: A Serra da Mantiqueira, no sudeste brasileiro, foi formada a partir da instalação de um rifte continental no Cenozóico, o qual está associado a eventos tectônicos iniciados no Mesozóico, que levaram a fragmentação do Gondwana e abertura do Atlântico. A estes eventos estiveram associadas manifestações magmáticas alcalinas, cuja origem tem sido relacionada à passagem da placa Sul-Americana por sobre um hot spot ou a reativações tectônicas de estruturas presentes no embasamento. Estes corpos intrusivos parecem exercer um importante controle litológico no relevo, sustentando planaltos e escarpas e destacando-se em relação às mais altas elevações das serras que os circundam. O presente trabalho tem como objetivo a aplicação da modelagem matemática para simular o recuo diferencial da escarpa da Serra da Mantiqueira, próximo ao Maciço Alcalino do Itatiaia e da borda norte da Bacia de Resende, procurando entender como as diferenças litológicas têm influenciado nesse processo ao longo do tempo geológico. A metodologia consistiu no uso de um simulador numérico, com o qual foi possível representar as principais variações litológicas existentes na área, assim como processos erosivos e tectônicos atuantes no relevo. Dessa forma, foi obtido um cenário para simular a evolução da Serra em um intervalo de tempo de 50 Ma, que é a idade estimada para a origem do rifte continental do sudeste do Brasil e o desenvolvimento da falha principal da Bacia de Resende. Ao final da simulação, foram obtidos os valores do recuo máximo, 10 km, e do recuo mínimo, 3 km, para a borda de falha escarpada, além de uma taxa estimada de denudação de 26,5 m/Ma para a área de estudo. De acordo com os resultados obtidos no presente estudo, após o processo de rifteamento que levou a formação do rifte continental e da borda de falha da bacia de Resende, foi formada uma topografia assimétrica e um front erosivo no flanco do rifte com maior inclinação, sendo a preservação desta feição associada à interação dinâmica entre processos tectônicos, que causaram soerguimentos pós-rifte, e processos de erosão, principalmente incisão fluvial, e de transporte. A variação litológica presente na área é o principal fator condicionante para o recuo diferencial e a forma tomada pela borda escarpada do rifte ao longo do tempo.
Palavras-chave: Modelagem Matemática
Serra da Mantiqueira
Recuo diferencial
Variação litológica
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Fev-2012
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5356
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
SOUZA, L.B.pdf2,51 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.