Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5402
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Aplicação e avaliação de metodologias de campo e laboratoriais para a determinação da permeabilidade em encosta com deslizamento raso, em Nova Friburgo-RJ
Autor(es)/Inventor(es): Pita, Renato Cosme dos Santos
Orientador: Silva Júnior, Gerson Cardoso da
Coorientador: Silva, Roberta Pereira da
Resumo: Os desastres naturais tornam-se cada vez mais frequentes e causam danos sociais e econômicos irreparáveis em todo o planeta. Sob essa perspectiva, é necessário estudar suas causas e sua dinâmica para buscar mitigar os seus danos. Dessa forma, foi escolhida uma encosta representativa no município de Nova Friburgo, afetada por um deslizamento translacional raso no evento catastrófico de chuvas de janeiro de 2011 para o estudo das propriedades hidrodinâmicas dos materiais geológicos que a compõem. A etapa de campo consistiu na retirada de amostras em cinco posições diferentes da encosta, sendo realizados ali ensaios de permeabilidade in situ: na zona saturada e na zona não saturada. Em laboratório, realizou-se a caracterização granulométrica das amostras, pela metodologia com e sem defloculante. Com esses dados calculou-se através de métodos empíricos a condutividade hidráulica de cada uma das amostras. Verificou-se que existem duas camadas de solo distintas em subsuperfície: uma mais argilosa, nos primeiros dois a três metros, sofrendo processo de laterização, classificada como um colúvio, e uma mais arenosa, é um saprolito derivado da rocha matriz granítica. Com os ensaios de campo, obteve-se uma condutividade hidráulica da ordem de 10-4 cm/s para o solo coluvionar e de 10-5 cm/s para o solo saprolítico, indicando uma possível descontinuidade hidráulica entre essas camadas. Por fim, compararam-se os resultados com os dos métodos empíricos, calculados com os dados da granulometria com e sem defloculante. Para o solo saprolítico, os métodos empíricos apresentaram resultados satisfatórios quando usou-se a granulometria com defloculante para os cálculos. Quanto aos resultados sem uso de defloculante, a condutividade hidráulica foi superestimada. O método mais adequado na previsão da condutividade hidráulica foi, na opinião do autor, o método de Hazen, seguido de Breyer e, por último, Kozeny-Carman, para os solos saprolíticos. Já nos colúvios, devido ao alto conteúdo de argila e silte, só foi possível calcular a condutividade hidráulica através da granulometria sem defloculante. O método que mais se aproximou dos resultados de campo foi o de Kozeny-Carman, seguido de Breyer e, por último Hazen. A estimativa da condutividade hidráulica dos materiais que compõem a encosta estudada permitiu elaborar um modelo geológico hidrogeológico que coadjuvou as análises do processo de instabilização desta e de outras encostas instáveis na região.
Palavras-chave: Permeabilidade do solo
Deslizamento
Desastre natural
Nova Friburgo (Rio de Janeiro)
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::GEOCIENCIAS::GEOLOGIA
Departamento: Instituto de Geociências
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Jul-2014
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5402
Aparece nas coleções:Geologia

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PITA, R.C.S.pdf6,26 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.