Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/5662
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Desenvolvimento de um método de modificação de rochas potássicas visando a agroindústria
Autor(es)/Inventor(es): Souza, Thaissa Fontoura Coelho de
Orientador: Pontes, Fernanda Veronesi Marinho
Coorientador: Felix, Adriana de Aquino Soeiro
Coorientador: Silva, Fernanda Arruda Nogueira Gomes da
Resumo: O Brasil tornou-se um dos mais importantes produtores agrícolas do mundo. No entanto, a produção interna de fertilizantes, principalmente de potássio, é insuficiente para atender a esta área. Além disso, os solos brasileiros são ácidos e pobres em nutrientes. Portanto, trabalhos anteriores apontam para a importância de se pesquisar fontes alternativas de fertilizantes ricos em potássio, a fim de melhorar a qualidade da produção agrícola e ao mesmo tempo diminuir o seu custo. Neste trabalho foi proposto o desenvolvimento de um método de modificação de rochas potássicas (rocha potássica e sienito), rochas portadoras de minerais que contêm o nutriente potássio, a partir da modificação estrutural destes minerais a fim de obter-se maior disponibilidade de potássio nessas rochas. A determinação de potássio foi realizada utilizando-se a técnica de fotometria de chama (FAES). A caracterização química e mineralógica das rochas in natura foi desenvolvida pelas técnicas de difração e fluorescência de raios X e espectroscopia vibracional na região do infravermelho. A análise dos resultados revelou que os teores de K2O foram de 9,2 % e 7,2 % para a rocha potássica e sienito, respectivamente, em relação aos teores de K foram de 7,63% e 5,97% para a rocha potássica e sienito, respectivamente. A solubilidade dos íons potássio contidos na rocha foi testada com solução de ácido cítrico 0,1 mol L-1. A avaliação dos resultados indicaram que houve recuperação de 1,63 % e 2,29 % para a rocha potássica e sienito, respectivamente, do potássio total contido nas rochas. Com o objetivo de aumentar a solubilidade desses íons, um planejamento fatorial completo de dois níveis com quatro variáveis foi desenvolvido. As seguintes variáveis foram testadas: tempo de ativação mecanoquímica (30 e 60 min), tempo de calcinação (30 e 90 min), temperatura de calcinação (500 e 1000°C) e tempo de extração (24 e 96h). A recuperação máxima foi de, aproximadamente, 12% e 3% para a rocha potássica e sienito, respectivamente. As condições para obtenção destes resultados foram de: tempo de ativação mecanoquímica de 30 min, tempo de calcinação de 90 min, temperatura de calcinação em 1000°C e tempo de extração de 24h.
Palavras-chave: Agroindústria
Rochas Potássicas
Potássio
Fertilizantes
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS EXATAS E DA TERRA::QUIMICA::QUIMICA INORGANICA
Departamento: Instituto de Química
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: 15-Set-2017
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/5662
Aparece nas coleções:Química

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Thaissa Fontoura Coelho de Souza.pdf1,81 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.