Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/8880
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCastro, Ana Célia-
dc.contributor.authorSilva, Aline Santolia-
dc.date.accessioned2019-07-25T16:02:18Z-
dc.date.available2019-07-27T03:00:21Z-
dc.date.issued2019-04-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/8880-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAlimentos orgânicos - Mercadopt_BR
dc.subjectAlimentos orgânicos - Cadeia produtivapt_BR
dc.subjectAlimentos orgânicos - Canais de comercializaçãopt_BR
dc.titleUma análise da cadeia produtiva e canais de comercialização de alimentos orgânicospt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.contributor.advisorLatteshttp://lattes.cnpq.br/4821494129200374pt_BR
dc.description.resumoNeste trabalho busca-se aprofundar o entendimento acerca do mercado de alimentos orgânicos, sua cadeia produtiva e canais de comercialização para compreender melhor os desafios deste mercado e alternativas para o escoamento da produção de pequenos e médios produtores orgânicos certificados. Percebe-se um crescimento na produção nacional e no faturamento do setor, assim como no total da área cultivada, no número de estabelecimentos e no número de produtores certificados. O crescimento da demanda interna depende da redução do preço final e da ampliação do acesso. Os preços altos são reflexos de elevados custos de produção, logísticos e de comercialização. A escolha do canal de comercialização pode contribuir para ampliar ou reduzir a diferença de preços entre alimentos orgânicos e convencionais. Existem diversos entraves para a expansão da agricultura orgânica. Percebe-se que a cadeia produtiva dos produtos orgânicos é similar à da cadeia convencional, com a diferenciação principalmente no que se refere à presença da certificação e ausência da figura do atacadista. Como gargalos da cadeia produtiva pode-se mencionar a dificuldade na obtenção de insumos, logística, assistência técnica, certificação, acesso à crédito e na comercialização. O varejo convencional é o principal canal de venda (64%). As feiras também têm uma participação importante (26%). Outros canais de comercialização como lojas especializadas, mercado institucional, cooperativas de produtores/consumidores, empresas de foodservice e plataformas de vendas online compõe as alternativas de escoamento da produção orgânica. No geral são dois modelos que caracterizam a comercialização de alimentos orgânicos: as chamadas cadeias longas e as chamadas cadeias curtas de comercialização. As cadeias longas facilitam o escoamento de uma quantidade maior de produção, embora exija maior estrutura dos produtores (excluindo alguns produtores deste circuito) ou processadores e reduza a parcela do preço final que remunera os produtores. Nas cadeias curtas, caracterizada pela ausência ou apenas um intermediário, os produtores têm acesso facilitado e recebem uma parcela maior do preço final da venda, porém a quantidade vendida nesses canais é menor. Se conclui que para cada perfil de produtor existe uma composição ótima de canais de comercialização. A capacidade de organização de produtores familiares em associações e cooperativas e/ou de articulação com processadores primários que organizem a produção de um grupo de agricultores é decisiva para a expansão da comercialização em todos os canais.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentInstituto de Economiapt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIApt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Ciências Econômicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ASSilva.pdf438,1 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.