Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11422/9608
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorSilva Neto, Afonso de Albuquerque Reis e-
dc.contributor.authorFragoso, Rodrigo Neves-
dc.date.accessioned2019-09-16T17:07:36Z-
dc.date.available2019-09-18T03:00:21Z-
dc.date.issued2008-
dc.identifier.citationFRAGOSO, Rodrigo Neves. Direito e música: ECAD, entidades de gestão coletiva e a prática do jabá. 2008. 104 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito) - Faculdade Nacional de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.pt_BR
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11422/9608-
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Rio de Janeiropt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectDireito Autoralpt_BR
dc.subjectGestão Coletivapt_BR
dc.subjectJabápt_BR
dc.subjectCopyrightpt_BR
dc.subjectIntermediary Music Licensing Organizationspt_BR
dc.subjectPayolapt_BR
dc.titleDireito e música: ECAD, entidades de gestão coletiva e a prática do jabápt_BR
dc.typeTrabalho de conclusão de graduaçãopt_BR
dc.description.resumoEsta monografia é um estudo crítico sobre o sistema de gestão coletiva no Brasil no que se refere à contraposição entre realidade de fato e realidade de direito e as distorções que provoca. O trabalho manter-se-á ligado ao cenário fático em comparação com o que institui a Lei e será conduzido sob a perspectiva do Autor – maior interessado no desenvolvimento de uma doutrina coerente do Direito Autoral. Isto porque, muita voz se tem dado no país aos empresários e representantes de entidades de gestão acerca do instituto, enquanto ao principal e também mais frágil personagem pouco se questiona. Este estudo destina-se a estudantes e profissionais do direito e da música e visa iluminar questões muito controvertidas e deturpadas que só contribuem em impedir que o direito autoral brasileiro se consolide de maneira firme e proporcional. Também será discutida a questão da desvalorização da cultura em favor dos aspectos puramente econômicos dos bens intelectuais, o que denominamos “cultura do entretenimento”. As obras e os autores, em conflito ao que estabelece a Lei nº 9.610/98, encontram-se reduzidas a unidades equitativas com vistas a explorar unicamente o seu valor econômico, prejudicando o social. E para isto também muito contribui o fenômeno mencionado no último ponto deste estudo – a compra de execuções televisivas e radiofônicas das obras autorais, o ao mesmo tempo famoso e misterioso “Jabá”. Esta prática desleal e às margens da moralidade destrói a cultura genuína de um povo, expondo em seus meios de comunicação uma realidade ditatorial comprada por poucos. Convocamos o leitor a um mundo repleto de inseguranças, mas cuja grandeza nos impulsiona a uma busca incessante, pelo bem maior de um povo que de nada precisa para ser culto além do apoio público à manifestação de seu singular talento.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade Nacional de Direitopt_BR
dc.publisher.initialsUFRJpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::DIREITO::DIREITO PRIVADOpt_BR
dc.embargo.termsabertopt_BR
Appears in Collections:Direito

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
RNFragoso.pdf994,97 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.