Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/11422/2548
Tipo: Trabalho de conclusão de graduação
Título: Análise do comércio exterior de produtos industriais por intensidade tecnológica
Autor(es)/Inventor(es): Zaire, Felipe Eduardo Figueiredo
Orientador: Gonçalves, Reinaldo
Resumo: Analisa a evolução do padrão de comércio exterior brasileiro com foco na intensidade tecnológica dos produtos industriais. O objetivo geral é avaliar ganhos e perdas da inserção do país no sistema mundial de comércio. O objetivo específico é comparar o desempenho do Brasil com o de outros países. A partir de uma análise de 18 anos de comércio exterior, observou-se uma melhora no quadro de dependência tecnológica até o ano 2005, seguida de uma rápida degradação nos últimos anos. A deterioração dos principais indicadores de comércio exterior por intensidade tecnológica representa graves entraves ao desenvolvimento do país, e podem conduzir a uma profunda crise de dependência tecnológica.Para desenvolver tal estudo, foram avaliadas algumas metodologias de classificação de produtos por intensidade tecnológica e optou-se por utilizar a Stan Indicators da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que classifica os produtos em 5 grupos tecnológicos. Esta classificação abrange produtos mais incrementados, como aviação e computação, até os mais simples, como as commodities, mas neste estudo, utilizaremos apenas os produtos industriais. A partir desta classificação foram montados alguns indicadores que possibilitam avaliar a evolução das exportações e importações e podem ser utilizados como um termômetro da economia. Estes indicadores são utilizados para comparar o desempenho de países selecionados (Argentina, Brasil, China, Índia, México e Rússia).A partir da análise dos indicadores criados, percebe-se um agravamento do quadro de dependência tecnológica da economia brasileira ao longo do período analisado em todos os grupos de produtos segundo a determinação de tecnologia. Dos países avaliados o desempenho do Brasil foi o segundo pior e apenas a Rússia teve pior desempenho.A China foi o país que mais reduziu a sua dependência tecnológica. Vale destacar ainda a perda de espaço para países como Argentina e México, que conseguiram obter um desempenho melhor no comercio exterior, um claro sinal que as suas indústrias estão se tornando mais dinâmicas, enquanto que o país vai na direção contrária. Com relação à OCDE 12, o país obteve vantagens comparativas no setor de baixa tecnologia e de media alta. Mas perdeu espaço nos outros dois (média-baixa e alta tecnologia).
Palavras-chave: Comércio exterior
Produto industrializado
Desenvolvimento tecnológico
Assunto CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA::ECONOMIA INDUSTRIAL
Departamento: Instituto de Economia
Editor: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Data de publicação: Mai-2013
País de publicação: Brasil
Idioma da publicação: por
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: http://hdl.handle.net/11422/2548
Aparece nas coleções:Ciências Econômicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
RCFSilva.pdf628,32 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.